Você já deve ter ouvido diversas vezes a frase: “o corpo humano é uma máquina perfeita”. Mas já parou para pensar o que garante todo esse funcionamento diante da complexidade que nos constitui? Quando sentimos a pele arrepiar de frio ou quando suamos depois de praticar exercícios físicos, são respostas fisiológicas que têm como objetivo manter a temperatura interna do corpo em equilíbrio. É justamente nesse ponto que podemos falar de homeostase, que atua na manutenção do funcionamento do nosso corpo. 

O que é homeostase? 

O corpo humano precisa estar em equilíbrio para garantir o seu funcionamento. Em entrevista para o UOL, Nicolle Queiroz, que é cardiologista e professora do curso de medicina da Universidade de Santo Amaro (Unisa), explica que o suor, por exemplo, faz parte de um mecanismo que se chama homeostase, que é onde se regula a temperatura corporal para as funções do corpo aconteçam sem prejuízo. 

O professor Kelvin S. Rodolfo da Universidade de Illinois explica em entrevista para a Scientific American o que é homeostase partindo do significado da palavra. “A homeostase, tem origem das palavras gregas “igual” e “estável”, refere-se a qualquer processo que os seres vivos usam para manter as condições ​​necessárias à sobrevivência estáveis. O termo foi cunhado em 1930 pelo médico Walter Cannon. Seu livro The Wisdom of the Body descreve como o corpo humano mantém níveis estáveis ​​de temperatura e outras condições vitais, como água, sal, açúcar, proteína, gordura, cálcio e o oxigênio no sangue. Processos semelhantes mantêm as condições de estabilidade no meio ambiente da Terra de forma dinâmica”. 

Já a explicação sobre o conceito de homeostase feita pelo professor Doutor Ismar A. de Moraes da Universidade Federal Fluminense resgata a definição criada por Claude Bernard, um famoso fisiólogo francês: “todos os mecanismos vitais, apesar de sua diversidade, têm apenas uma finalidade: a de manter constantes as condições de vida no ambiente interno.” 

Ismar comenta que devemos entender a homeostase como sendo esta tendência à manutenção das condições internas de um organismo sempre dentro de parâmetros normais ou fisiológicos. De acordo com a sua posição na escala evolutiva, os seres vivos podem apresentar maior ou menor capacidade de adaptação ao meio-ambiente. 

“A cada momento em que existir uma tendência a um desequilíbrio, os mecanismos de homeostase se apresentarão para garantir a regulação ou retorno à normalidade. Isso vale, entre tantas outras, para a regulação do pH corporal assim como para a termorregulação e circulação”, escreve.  

:: Leia também: Histórias que utilizam o humor são benéficas para o cérebro e o desenvolvimento cognitivo ::

Qual é a importância da homeostase? 

A homeostase atua principalmente no funcionamento dos sistemas nervoso e endócrino. Quem coordena as ações do organismo é o sistema nervoso, e o sistema endócrino indica “o que deve ser feito” por cada órgão.

Se um sistema ficar sob condições que provoquem alterações e, dessa forma, esse sistema enfrenta instabilidades, a tendência dele é agir para combater essas alterações, e a homeostase tem papel fundamental nesse processo

O professor Kelvin S. Rodolfo também cita a importância dos processos de controle de temperatura  do corpo humano. “Por exemplo, o corpo humano usa uma série de processos para controlar sua temperatura, mantendo-a próxima a um valor médio ou norma de 98,6 graus Fahrenheit (37 graus Celsius). Uma das respostas físicas mais óbvias ao superaquecimento é o suor, que esfria o corpo ao disponibilizar mais umidade na pele para evaporação. Por outro lado, o corpo reduz a perda de calor em ambientes frios suando menos e reduzindo a circulação sanguínea na pele. Assim, qualquer mudança que aumente ou diminua a temperatura normal dispara automaticamente um feedback contrário, oposto ou negativo. Aqui, negativo significa apenas oposto, não é mau; na verdade, ele atua para o nosso bem-estar neste exemplo.”

Ele enfatiza que todas essas reações homeostáticas são inevitáveis ​​e automáticas e vão acontecer naturalmente se o sistema estiver funcionando de maneira adequada. Os sistemas operam juntos nesses processos. 

“O rubor é outra das respostas automáticas do corpo ao aquecimento: a pele fica vermelha porque seus pequenos vasos sanguíneos se expandem automaticamente para trazer mais sangue aquecido para perto da superfície, onde pode esfriar. O tremor é outra resposta ao frio: os movimentos involuntários queimam o tecido corporal para produzir mais calor corporal”, explica. 

Kelvin S. Rodolfo explica ainda que a oscilação é um comportamento comum e necessário de muitos sistemas e que os próprios sistemas promovem essas oscilações acima e abaixo do nível de equilíbrio.

Os sistemas homeostáticos evoluíram ao longo dos anos para auxiliar os organismos a manterem suas funções ideais em diferentes ambientes e situações. Mas muito além disso, de acordo com um artigo publicado em 2013 pela National Library of Medicine (National Center for Biotechnology Information), um grupo de cientistas teorizam que a homeostase fornece principalmente um “fundo silencioso” para células, tecidos e órgãos se comunicarem uns com os outros. A teoria propõe que a homeostase torna mais fácil para os organismos extraírem informações importantes do ambiente e sinais de transporte entre as partes do corpo.

Homeostase para além da fisiologia

Saindo um pouco das explicações sobre a homeostase em nosso organismo, o professor Kelvin S. Rodolfo conta que a homeostase encontrou aplicações úteis também nas ciências sociais. “Refere-se a como uma pessoa sob tensões e motivações conflitantes pode manter uma condição psicológica estável. Uma sociedade mantém sua estabilidade de forma homeostática apesar da competição entre fatores políticos, econômicos e culturais. Um bom exemplo é a lei da oferta e demanda, segundo a qual a interação da oferta e da demanda mantém os preços de mercado razoavelmente estáveis”. 

Texto: Débora Nazário

NOTA DA EDITORA:

O corpo precisa voltar para a homeostase quando se depara com um fator de estresse. Quando pensamos nesse fato de estresse, normalmente lembramos de uma gripe onde o corpo fica fraco ou febril pois está combatendo uma infecção; ou um dia muito frio em que não estamos agasalhados suficientemente, e o corpo se treme todo para gerar calor e não perder temperatura. 

Mas também há o estresse psicológico, quando estamos preocupados com algo ou sobrecarregados. Nosso corpo tem uma série de respostas frente ao estresse, e cada pessoa reage de uma forma. Tem gente que dorme, tem gente que sente vontade de comer doces, há quem perde o apetite, tem intestino que para de funcionar e tem gente que precisa ir ao banheiro cinco vezes ao dia. Tudo isso é o nosso corpo mostrando que há um desequilíbrio que pode ser emocional. 

As crianças também sofrem de estresse e também podem ter respostas como falta de apetite, desregulação do sono ou irritabilidade. É preciso estar atento e buscar ajuda de pediatras e psicólogos caso identifique algum destes avisos. 

O Truth and Tales, nosso aplicativo de bem-estar infantil, conta com algumas atividades que podem ajudar as crianças a voltarem para a homeostase. Os contos interativos e audiobooks são Teaching Stories, histórias milenares com uma estrutura que permite a flexibilização do cérebro, dando espaço para desenvolvimento de algumas habilidades mais finas e, dentre elas, o foco e atenção. 

Também oferecemos exercícios de integração corpo e mente, onde ajudam a restaurar a homeostase. De forma lúdica e divertida, as crianças dão espaço para perceber seus corpos e seus sentimentos, colocando atenção nelas mesmas.

Fontes utilizadas no artigo: 

Essential Nutrition

Scientific American