fbpx

Apps Freemium x Apps pagos: como os aplicativos ganham dinheiro e como isso afeta as crianças

O mercado de aplicativos está em constante crescimento e mudança, e as crianças são um público importante e muito visado dentro desse meio. Hoje vamos falar sobre dois modelos de apps que podem fazer toda a diferença no conteúdo e na vida das crianças. São os apps Freemium e Premium (ou pagos)

O que é monetização?

Monetização é a forma que o aplicativo ganha dinheiro. Existe alguns modelos de monetização para aplicativos:

  • Apps pagos: quando você paga pelo app e por todo o conteúdo dele uma única vez. Não têm propagandas.
  • Apps de assinatura: quando você paga periodicamente. Pode ser todo o mês, todo o semestre ou todo o ano. Os aplicativos com esse modelo atualizam e aumentam os conteúdos do app regularmente, lançando coisas novas em que o usuário possa aproveitar na assinatura. Não têm propagandas.
  • Apps freemium: são grátis, mas vendem itens dentro dos aplicativos. Podem ser pacotes de jogos, vidas, livros, efeitos, treinos, etc. Podem ter propagandas.
  • Apps de grandes marcas: muitas marcas disponibilizam seus aplicativos e seus conteúdos de forma 100% gratuita. Quando isso acontece, o aplicativo é, por si só, a publicidade da marca, e por isso não faz sentido esse tipo de app ter propagandas de outras marcas. 
  • Apps 100% grátis: aplicativos que disponibilizam todo o conteúdo de forma gratuita. A monetização acontece através de anúncios dentro do app. Ou seja: tem propagandas a cada fase, vídeo, tantos minutos, etc. É comum que o usuário consiga “pular” o anúncio depois de alguns segundos assistindo a propaganda. 

Lembre-se: nada é de graça na internet. Você pode não ter tirado a carteira do bolso para usar algum app, mas você paga de alguma forma. 

Por que apps grátis não são recomendados para crianças

Os aplicativos infantis gratuitos monetizam através de propagandas. Ainda que os próprios aplicativos conseguem banir alguns tipos de propagandas, erros acontecem. Já vimos anúncios de bebidas alcoólicas em apps infantis que sabíamos que faziam esse controle, por exemplo. 

Crianças só começam a entender o que é uma propaganda por volta dos 8 anos de idade, de acordo com Common Sense Media. Antes disso, elas consomem como se fosse conteúdo normal de entretenimento, ou seja, sem nenhum filtro. 

O anunciantes sabem que quanto mais cedo as crianças aprendem sobre uma marca, maior será a probabilidade de comprar o produto mais tarde (ou de implorar aos pais para comprá-lo). A exposição de crianças às propagandas pode estimular o desejo por estímulos excessivos, uma alimentação nada balanceada e, principalmente, o consumismo.

Aplicativos Freemium

Os aplicativos gratuitos também podem vender itens dentro dos aplicativos. Essa prática é bem comum e pode ser que esse tipo de app tenha ou não anúncios. Eles são chamados de Freemium: uma junção das palavras em inglês free, que significa grátis, e premium, que traz a ideia de qualidade.

Esses apps vendem vidas extras, algum tipo de ajuda para passar de fase, roupas e acessórios para customizar personagens, presentes para dar para outros jogadores, e por aí vai. 

O problema é como essa “venda” é feita. Em muitos apps não fica claro que a compra é de verdade, com dinheiro real, cobrado direto no cartão de crédito dos pais. É comum crianças acharem que é “de brincadeira” e que faz parte do jogo, e compram vários itens, porque a maioria deles não usa nenhum tipo de controle parental, senha, ou bloqueio para que a criança precise dos pais. Neste vídeo é fácil perceber que uma criança que ainda não é totalmente alfabetizada consegue fazer compras dentro do app sem saber o que isso realmente significa.

Uma outra prática comum neste tipo de aplicativo são as “fases impossíveis”, em que os jogadores que já estão engajados não conseguem nunca passar de fase. Isso acontece de propósito e é “colocado”. E a única forma de passar de fase é comprar itens que ajudam. Essa compra também pode acontecer através de ads, por exemplo: “Assista ao anúncio e ganhe um power up”. 

Loot Box

As loot boxes são um dos itens vendidos dentro desses aplicativos. As loot boxes são caixas surpresas com itens que podem ser usados no jogo. Quando você compra ou ganha uma, não se sabe o que vem dentro. Ou seja: muitas crianças compram as loot boxes na esperança de vir um item raro, mas as chances são mínimas e, na grande maioria das vezes, vem um item comum e mais barato do que a própria loot box.

Essa mecânica é igual às usadas nas máquinas de caça-níqueis em cassinos: elas viciam e estão em jogos populares entre as crianças. 

Existem muitos aplicativos freemium que não têm propagandas, mas eles foram desenhados para que o jogador fique o maior tempo possível dentro do app. Ou seja, o conteúdo que ele entrega é viciante. Mesmo que os usuários não tenham mais vidas, ou que o jogador não consiga passar de fase, o jogo usa mecânicas e artifícios que induzem o usuário a comprar pacotes de vida, ajudas ou até mesmo a assistir um anúncio em troca de uma vida.

Utilização de dados

E se você não identifica nenhuma das opções acima no aplicativo gratuito que seu filho usa, é porque ele recolhe dados. Todos os aplicativos pegam dados dos seus usuários, não se engane. Há duas utilidades dos dados recolhidos em aplicativos: melhorias dentro do próprio app e para melhorar a usabilidade, e utilizar esses dados para marketing. A segunda opção é o que praticamente todos os apps gratuitos fazem com os dados dos usuários. 

Mas o que são esses dados?

Os dados que os aplicativos pegam são quanto tempo você fica no app, onde você clica, quanto tempo fica em cada fase, quais conteúdos do aplicativo que você consome, quais os horários que você usa. Se houver propaganda dentro do aplicativo, também é possível saber quais os tipos de propaganda que você assiste tudo, quais você pula, quanto você fica em cada propaganda, etc. São tantos dados que é difícil de listar todas as possibilidades. 

Depois que toda essa informação é recolhida, algoritmos conseguem fazer um perfil seu: suas preferências, o que você gosta de ver, os horários que você usa o celular, que você faz suas refeições, que você estuda ou trabalha,quando você vai dormir, se você gosta de futebol, quais filmes e séries você assiste na TV, etc.

E tudo isso é vendido para que outras empresas utilizem você como consumidor. O seu perfil é vendido para que empresas mostrem propagandas para você, porque seus interesses combinam com o ´produto vendido.

Isso pode ser bem problemático porque a maioria das pessoas não sabe onde ou para quê seus dados estão sendo usados. Mas o ponto é: crianças não fazem ideia o que isso significa. E por esse motivo, apps infantis são proibidos de utilizar dados de crianças menores de 13 anos.

Na prática

Para burlar esse sistema, muitos apps não se posicionam como infantis para que possam utilizar esses dados, mesmo que saibam que seu público é majoritariamente infantil. Eles “lavam as mãos” e dizem que não é indicado para menores de 13 anos, ainda que toda a linguagem, estética e temática do aplicativo é voltado para crianças. 

Essas empresas usam esses dados para vender propagandas. O que acontece com a criança é que ela é bombardeada de anúncios para ela, baseado nos seus gostos, idade, gênero, preferências de brinquedos, cores, hora de dormir, atividades extra-curriculares, etc. E sabemos que crianças não recebem esses anúncios como adultos, é um conteúdo muito mais violento e perigoso para elas. Além de que praticamente não há nenhum órgão que regule essas propagandas, principalmente aqui no Brasil.

Por que pagar por um aplicativo para meus filhos?

Muitos apps infantis estão mudando a sua estratégia de monetização, onde o usuário precisa fazer a compra do app. Existe dois modelos mais usados hoje em dia: o que você paga pelo app e o que você paga pela assinatura. O que você paga pelo aplicativo unitário,a compra é feita ao baixar o aplicativo na loja de apps. Geralmente você só paga uma única vez e todos os conteúdos estão disponíveis, mas não há novos conteúdos, apenas atualizações para resolver possíveis bugs. 

Quando o app é assinatura, você faz o download do app de graça e é só dentro do aplicativo que você vai fazer a compra dos conteúdos. Você precisa assinar um dos planos oferecidos para ter acesso. Os planos podem ser  mensais onde você paga todo o mês; semestrais, onde você paga a cada seis meses; ou anuais, onde você paga pelo ano inteiro. A compra é feita depois de senhas, controles parentais e telas “de adulto” que não chamam atenção das crianças, ou seja, é muito difícil que a criança compra uma assinatura sem querer.

Aplicativos de assinatura geralmente oferecem um período de teste para que a criança experimente o app e os pais possam decidir se vale a pena fazer o investimento. Como é um investimento mês a mês, apps de assinatura geralmente oferecem novos conteúdos e sempre estão atualizando as novidades dentro do aplicativo. 

Outros benefícios

Esses dois modelos não têm propagandas, ou seja, os dados das crianças não são comercializados. Isso quer dizer que esses aplicativos não pegam os dados dos meus filhos? Não, não quer dizer isso. Esses aplicativos pegam alguns dados que quem usa o app sim, mas esses dados não são vendidos para marketing para que mais propagandas “assertivas” apareçam para o seu filho.

Os apps pagos usam os dados dos usuários para melhorar a experiência dentro do app. Por exemplo: é através desses dados que os desenvolvedores do app identificam um bug, ou quando o botão importante não está comunicando o necessário porque não está sendo usado. Como esses aplicativos não contém anúncios, esses dados não saem dos aplicativos.

TikTok: o que você precisa saber sobre a rede social popular entre crianças e adolescentes

Você já ouviu falar no TikTok? O app está em quarto lugar dos apps mais baixados do mundo que não são jogos, segundo Sensor Tower. Conhecido anteriormente como Musical.ly, é um app de rede social de compartilhamento de vídeos, principalmente dublagens, danças, remixes e outros conteúdos envolvendo música e edição de vídeos. TikTok é bem popular entre crianças e adolescentes pelo mundo inteiro. Fizemos um artigo baseado na avaliação do Common Sense Media sobre o TikTok e nos depoimentos de alguns pais.

Dublagens engraçadas, coreografias famosas, desafios, ou apenas cantando as músicas da vez: estes são os tipos de vídeos que os usuários do TikTok disponibilizam em seus perfis. Olhando superficialmente, a ideia de criar uma rede social de compartilhamento de vídeos focado em músicas parece boa, onde os usuários podem interagir momentaneamente através de chats e utilizar filtros stickers, e animações em realidade aumentada.

Na Google Play e na App Store do Brasil, TikTok está recomendado para maiores de 12 anos. O site Common Sense avaliou o app e sua recomendação é que só maiores de 16 anos utilizem. Mas por que?

Exposição

O usuário até pode criar uma conta privada, mas o objetivo do TikTok é o oposto de deixar conteúdo no privado. A quantidade de vídeos de crianças e adolescentes dançando, dublando ou cantando no TikTok é bem grande e está disponível para que qualquer pessoa possa acessar. Nos Estados Unidos, usuários menores de 13 anos não podem postar nenhum tipo de conteúdo.

Coleta de dados

Em fevereiro de 2019, a Musical.ly, empresa dona da TikTok, foi multada nos Estados Unidos em US$5,7 milhões por coletar ilegalmente informações pessoais de crianças. Por causa disso, o app criou uma “Plataforma para Crianças” para usuários menores de 13 anos utilizarem o TikTok de forma que que seus dados sejam coletados e que só possam apenas ver os conteúdos, sem publicar. Essa medida vale apenas para os Estados Unidos. No Brasil, menores de 12 anos podem dar o consentimento para a coleta de dados, desde entendam do que o termo se trata.

Nos outros países, crianças a partir de 12 anos que utilizam o TikTok têm seus dados coletados: informações de contato, conteúdo criado, localização, informações técnicas e comportamentais e até informações compartilhadas em outras redes sociais através do TikTok. O app ainda coleta informações contidas nas mensagens enviadas através da plataforma e, se o usuário permitir acesso, coleta informações da lista de contatos do aparelho. Se o usuário fizer login com alguma rede social, o TikTok terá acesso a todos os dados da outra rede social que o usuário utiliza.

Conteúdo inapropriado

Como o TikTok tem a música como carro-chefe, vídeos com palavrões são bem comuns, já que fazem parte da letra das músicas. Conteúdos sexualizados ou utilizando álcool ou drogas são motivos de críticas de muitos pais: adolescentes e até adultos fazendo coreografias sexualizadas ou imitando os videoclipes geram conteúdos de cunho sexual ou com uso explícito de drogas ou álcool, que atinge tanto os adolescentes que postaram o vídeo quanto crianças menores de 12 anos e adolescentes que visualizam o conteúdo no TikTok.

:: Veja também: Como configurar seu celular para crianças ::

Consumismo

TikTok é uma rede social e, como todas as redes sociais, tem seus influenciadores, pessoas populares que criam conteúdo são seguidos por inúmeros usuários. Esses usuários com grande número de seguidores utilizam produtos “da moda” e influenciam as pessoas que assistem seus vídeos a comprar também. De 5 pontos, o TikTok tem 4 pontos marcados em “Consumismo” no Common Sense Media.

Tempo de uso

Como toda a rede social e forma de entretenimento, os usuários, crianças e adultos, devem tomar cuidado com o tempo que utilizam o app. O TikTok oferece uma ferramenta de limitar o tempo de uso protegido por senha que muda a cada 30 dias, o que fica mais fácil de gerenciar o quanto as crianças ficam no TikTok.

O que eu posso fazer para proteger meus filhos no TikTok?

Uma conversa em família sobre privacidade na internet e nas redes sociais é um bom caminho para começar. Falar sobre quando é adequado compartilhar informações e quais informações manter em privacidade. É recomendável ler as regras, termos de uso e de privacidade do TikTok e Musical.ly para ter certeza de alguns detalhes. Por exemplo, é possível compartilhar um vídeo privado onde só amigos possam assistir?

Antes de baixar o TikTok, conversar em família sobre os conteúdos inadequados para crianças nas músicas, podendo utilizar as mais populares como exemplo. Quais músicas são permitidas? Que tipo de vídeos as crianças podem postar?

Conversem sobre quais músicas seria legal de dublar, ou alguma forma criativa de gravar um vídeo de 15 segundos. Pense em movimentos ou danças que podem combinar com a música. Se envolva e participe, se faça presente.

Como escolher os melhores aplicativos infantis para seus filhos

Existe uma grande quantidade de aplicativos disponível nas lojas, ainda mais do universo infantil. Mas como decidir quais aplicativos baixar para as crianças, ou como saber se são bons ou confiáveis? Fizemos uma lista com 12 dicas de como escolher os melhores aplicativos infantis para seus filhos.

Compras Dentro dos Aplicativos

Compras dentro dos apps, ou seja, quando os próprios aplicativos tentam vender “bônus”, por exemplo, geram uma frustração na criança e uma ansiedade de consumir que está sendo ofertado. Claro que tudo tem um equilíbrio: não há problema nenhum em ter uma ou outra coisa que ofereçam para melhorar o desempenho de quem utiliza, mas em excesso e a ponto de causar ansiedade do usuário, pode ser perigoso.

Propaganda nos Aplicativos

Tente optar pelos aplicativos sem propagandas. Há estudos que indicam que as propagandas infantis em aplicativos são mais violentas e “certeiras” do que as propagandas em televisão. Segundo uma matéria do popular Science baseado numa pesquisa publicada no Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, a regulamentação de propagandas infantis funciona diferente nos aplicativos: é menos efetiva, Para atingir a eficácia desejada, essas propagandas tratam crianças como pequenos adultos. No entanto, as crianças não conseguem perceber a diferença do que é propaganda e jogo dentro dos apps, e isso pode ser prejudicial.

Ícones de Competência dos Aplicativos

Alguns aplicativos indicam os ícones de competência logo na descrição da loja. É bastante interessante pois você consegue ter uma noção das habilidades que seu filho pode desenvolver ao utilizar os aplicativos. Exemplo: muitos de educação auxiliam na alfabetização.

Aplicativos Viciantes

Há algumas técnicas e estratégias utilizadas pelos aplicativos de jogos que induzem ao vício. Existem alguns apps liberados para crianças chamados ‘sandbox’, em que os usuários criam um mundo virtual e não existe nenhuma ou poucas dificuldades para que o jogador tenha objetivos ou barreiras dentro dos jogos, como terminar as vidas, por exemplo, que é o que faz os usuários pararem de jogar.

Outra dinâmica que leva ao vício são os jogos chamados ‘variable ratio reward’ (recompensa variável, em inglês), mesmo sistema utilizado em cassinos. Nesses games, o usuário consegue prêmios facilmente todos os dias, com qualidades aleatórias. Essa dinâmica faz com que o cérebro fique condicionado para checar os aplicativos diariamente e, com facilitadores como as roletas de prêmio do jogo ou a conexão com as redes sociais em que o usuário pode pedir vidas e prêmios aos amigos, os usuários passam horas voltando nos aplicativos para verificar se já pode voltar a jogar.

Há muitos apps com essas características no mercado e é preciso estar atento ao que as crianças consomem.

Mas e agora? Como posso saber quais aplicativos não terão essas características?

De modo geral, os aplicativos infantis que simulam experiências, como o preparo de uma comida, leitura de um livro ou um corte de cabelo são ótimos exemplos, pois a criança consegue fazer uma conexão com as experiências virtuais e o mundo real, e vice-versa. Estes aplicativos estimulam a criatividade e não insere a criança em um mundo à parte em que ela perde a noção de tempo.

Truth and Tales, um aplicativo que reúne livros infantis interativos, é o primeiro lançamento da Explot. Por enquanto, o aplicativo conta com três livros interativos disponíveis, quatro áudio livros (audiobooks), atividades de colorir e exercícios físicos. Atualizamos o aplicativo com novos conteúdos mensalmente e, por isso, sempre estamos na produção de novidades para adicionar ao Truth and Tales.

Histórias Interativas

As histórias interativas trazem uma legenda que acende de acordo com o que o narrador fala, possibilitando que a criança acompanhe a leitura com o narrador. Além disso, há interações e jogos dentro das histórias interativas divertidas e inusitadas, como chacoalhar o celular e usar o microfone.

Áudio livros (audiobooks)

Os áudio livros (audiobooks) são os mesmos contos das histórias interativas, mas num formato apenas em áudio. Adicionamos esse formato para ter a opção de ouvir as histórias sem as telas, podem ser utilizados antes de dormir ou em viagens de carro, por exemplo.

Exercícios Físicos

O Mexe-Mexe é a parte dos exercícios físicos, em que a proposta é mexer o corpo imitando animais que estão desenhados em cartas. A criança pode sortear três cartas, e escolher qual dos três animais vai imitar. Se ela não quiser nenhum deles, é possível sorteá-los novamente. As posturas são inspiradas no Tai Chi e no Yoga. As crianças desenvolvem força, flexibilidade, estabilidade e consciência corporal através das práticas. Não há um treino pré-estabelecido: as crianças imitam quantos e quais animais tiverem vontade, sem número mínimo ou máximo de cartas.

Atividades de Colorir

As atividades de colorir estão inseridas na Galeria do Artista, que oferece imagens em preto e branco onde as crianças podem colorir do jeito que preferirem. As crianças ficam livres para usar as cores que quiserem, para pintar o desenho que preferirem, com diferentes pincéis e texturas. Na Galeria do Artista, não há regras a serem seguidas, o que permite que a criança deixe a imaginação e a criatividade fluírem.

Classificação Indicativa

Só baixe os aplicativos que estiverem de acordo com a idade de sua/seu filha(o). Se a criança está fora da classificação indicativa, é porque o conteúdo é muito difícil ou há elementos dentro dos aplicativos que não foram pensados para pessoas fora da classificação.

Controle de Luz Azul

Controle de luz azul serve para que o sono da criança não seja tão afetado quando os aplicativos são utilizado de noite. Há vários disponíveis com esta ferramenta.

Número de Downloads e Feedbacks

Checar o número de downloads dos apps e os tipos de comentários são boas referências para decidir se valem a pena, se funciona, se o desenvolvedor está a disposição para resolver bugs e responder os usuários.

Storytelling (Narrativa)

Storytelling é a forma com que a história é contada, seja através de um jogo, aplicativos de educação, ou vídeos. Sempre há uma história e um contexto por trás das coisas. E é importante checar se a criança consegue acompanhar a complexidade da narrativa, e se a mesma é apropriada com o contexto em que a criança vive.

Tipos de Aplicativo (Jogo, Social, Vídeo, Educativo)

É legal sempre ficar de olho nos tipos de aplicativos que seu filho quer baixar. Ter um equilíbrio entre jogos, aplicativos de vídeo, educativos e livros vale muito a pena. Vale lembrar que apps sociais como Facebook e Instagram só são permitidos a partir dos 13 anos.

Selos e Prêmios

Ter selos e prêmios significa qualidade, já que o aplicativo passou pela revisão e crítica de pessoas que não são os desenvolvedores e “competiu” com outros aps pelos selos ou prêmios.

Empresa

É sempre recomendável pesquisar sobre a empresa que desenvolve os jogos e aplicativos. Tem site? Desenvolveu outros aplicativos? Existe um FAQ? Além disso, dá mais segurança se você tiver alguma dúvida ou problema para resolver em relação ao aplicativo.

Controle Parental

É uma ferramenta essencial nos aplicativos para que a criança não tome algumas decisões sem a presença dos pais, como compras sem a permissão, contato com conteúdo inapropriado e etc.

Texto: Luisa Scherer