fbpx

A eficácia do dever de casa para crianças pequenas

É raro encontrarmos uma criança que goste de fazer o dever de casa. Sabemos que “Já fez a lição?” é uma frase bem comum entre as famílias, e geralmente vem seguida de um cabo de guerra entre pais e filhos.

Hoje em dia, crianças cada vez mais jovens chegam em casa depois da escola com pilhas de lição de casa. Será que os deveres são mais importantes do que brincar e descansar? Até que ponto que a lição de casa é realmente eficaz e necessária?

Traduzimos uma matéria do site Salon que traz uma pesquisa sobre até onde as lições de casa têm benefícios para estudantes do primário do ensino fundamental.

Reavalie e questione

Não há evidências de que qualquer quantidade de dever de casa melhora na performance acadêmica de estudantes do primário.

Esta citação foi feita por Harris Cooper, que pesquisador da Duke University. Será verdade que as horas de brincadeiras perdidas, lutas pelo poder (conhecidas também como “manhas”) e muitas lágrimas roladas são inúteis? Que milhões de famílias passam por um ritual noturno que não ajuda? O dever de casa é uma prática tão aceita que é difícil para a maioria dos adultos questionar seu valor.

Mas ao olhar com mais cuidados aos fatos, é isso que vai encontrar: dever de casa tem benefícios, mas é intimamente dependente e relacionado com a idade da criança.

O que as pesquisas mostram sobre o dever de casa

Para crianças do ensino primário, pesquisas sugerem que estudar durante as aulas promove resultados de aprendizado mais altos, enquanto trabalhos da escola para fazer em casa são apenas… trabalho extra.

Do 6º ao 9º ano a relação entre sucesso acadêmico e dever de casa é, na melhor das hipóteses, mínimo. Quando as crianças atingem o ensino médio, dever de casa oferece benefícios acadêmicos, mas apenas com moderação. Cerca de duas horas por noite é o limite. Depois dessa quantidade, os benefícios diminuem.

Etta Kralovec, professora de Educação na Universidade do Arizona, concorda: “A pesquisa é muito clara. Não há benefícios quando estão no primário do ensino fundamental.”

Antes de continuar, vamos desmistificar que os resultados da pesquisa são devidos a estudos mal construídos. Na verdade, é o oposto. Cooper compilou 120 estudos em 1989 e outros 60 em 2006.

A análise abrangente que ela fez em cima dos estudos compilados não encontrou evidências acadêmicas de benefícios nas séries primárias do ensino fundamental. No entendo, encontrou um impacto negativo na atitude das crianças em relação à escola.

Qual o impacto?

É isso que preocupa. Dever de casa tem impacto nos estudantes mais novos, mas não é positivo. Uma criança que acabou de entrar na escola merece uma chance de desenvolver o amor pelo aprendizado.

Ao invés disso, dever de casa nos primeiros anos escolares faz com que muitas crianças se voltem contra a escola, contra as futuras lições de casa e o aprendizado acadêmico. E é uma longa jornada. Uma criança no jardim de infância tem que lidar com 13 anos de dever de casa a sua frente.

Também tem os danos nas relações pessoais. Em milhares de lares pelo país, a batalha do dever de casa é diário. Pais incomodam e tentam persuadir os filhos a fazer a tarefa. Crianças cansadas protestam e choram. Ao invés de se conectar e dar suporte uns aos outros no fim do dia, muitas famílias se veem presas no cíclico “Você fez o dever de casa”?

Crianças pequenas e o dever de casa

Quando o dever de casa é dado muito cedo, é difícil para as crianças mais novas terem que lidar com as tarefas de forma independente — elas precisam de um adulto para lembrá-las dos deveres e descobrir como fazê-los.

As crianças criam o hábito de contar com os adultos para ajudá-las a fazer a lição de casa, ou, em muitos casos, para fazer as suas tarefas. Os pais assumem com frequência o papel da “patrulha da lição de casa”.

Ser o chefe irritante é uma tarefa chata que ninguém quer ter, mas isso se mantém até o ensino médio. Além do conflito constante, ter uma patrulha dos deveres em casa desvia de um dos principais propósitos da lição de casa: ter responsabilidade.

Os apoiadores dos deveres de casa defendem que as lições ensinam responsabilidade, reforçam as atividades aprendidas na escola e criam um link escola-casa com os pais.

Contudo, pais que se envolvem na vida escolar dos seus filhos podem ver o que volta na mochila da criança e iniciar o hábito de compartilhar os aprendizados do dia — eles não precisam monitorar a tarefa de casa para saber o que seus filhos tiveram naquele dia na escola.

E a responsabilidade?

Responsabilidade é ensinado diariamente de diferentes formas: é para isso que servem os animais estimação e as tarefas de dentro de casa. É preciso de responsabilidade para uma criança de 6 anos lembrar de trazer seu chapéu e sua lancheira de volta para casa.

É preciso responsabilidade para uma criança de 8 anos se vestir, arrumar sua cama e ir para a escola todos os dias. São tarefas que precisam ser reforçadas e relembradas todos os dias, mas não são os únicos fatores de aprendizado.

Prioridades não-acadêmicas (uma boa noite de sono, o relacionamento familiar e hora de brincar) são vitais para o equilíbrio e bem-estar. Elas também impactam diretamente na memória, foco, comportamento e potencial de aprendizado das crianças.

As lições fundamentais são ensinadas e reforçadas todos os dias em sala de aula. O tempo de depois da escola é precioso para o descanso da criança.

O que funciona mesmo

O que funciona melhor que o dever de casa tradicional, para as crianças do primário, é ler simplesmente em casa: pais lendo em voz alta para as crianças, ou as crianças lendo sozinhas. O segredo é fazer da leitura um momento de prazer. Se a criança não quiser praticar as habilidades de leitura depois de um longo dia na escola, leia para ela.

Qualquer projeto de casa deve ser opcional e ocasional. Se a tarefa não promove mais alegria em relação à escola e interesse em aprender, então não há lugar para a atividade nas salas de aula de crianças do primário.

Dever de casa não tem espaço na vida de uma criança pequena. Sem benefícios acadêmicos, há maneiras melhores de utilizar o tempo nos horários depois da escola.

Yoga para crianças: diversão e mais concentração para os pequenos

A infância é um período repleto de experiências que ficam marcadas na nossa memória. Quem nunca se lembrou de uma brincadeira ou atividade que praticou na infância e sentiu saudades?

Estas brincadeiras são importantes para além de um registro afetivo. Atividades que estimulam a criatividade e geram descobertas marcam também a infância de outras formas, gerando inúmeros benefícios.   

As dinâmicas feitas na primeira infância também podem estimular comportamentos que serão repetidos por muitos anos, mesmo depois que a criança já for adulta. 

Atividades que envolvem brincadeiras e movimentos do corpo, por exemplo, quando praticadas com frequência, tornam-se um hábito na vida das crianças e também têm relação direta com o desenvolvimento físico, emocional e psíquico. Neste texto nós explicamos com mais detalhes sobre como brincadeiras e atividades físicas na infância são positivas para a saúde e desenvolvimento dos pequenos.

Algumas atividades, no entanto, exigem estrutura e orientações específicas para serem praticadas. No momento em que vivemos, aquelas que podem ser executadas em casa tornam-se uma ótima possibilidade. Por esse motivo, hoje vamos falar da prática de yoga para crianças.

A prática de yoga

Yoga é uma prática que nasceu há mais de quatro mil anos. Os praticantes também seguem filosofias além dos movimentos do corpo. Nos últimos anos, o yoga ganhou grande visibilidade na mídia e, por isso, quando se fala em yoga, a maioria das pessoas já têm alguma noção do que se trata.

A comprovação disso é que o yoga compõe a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), entidade criada pelo Conselho Nacional de Saúde brasileiro, que tem como objetivo a implementação de tratamentos alternativos à medicina baseada em evidências na rede de saúde pública do país, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

A prática feita por crianças também se popularizou nos últimos tempos, justamente por conta dos seus benefícios. A concentração, respiração e alongamento incentivados no yoga são extremamente positivos para as crianças. Existem até algumas escolas, inclusive, que incluíram aulas de yoga nas suas grades curriculares.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou recentemente um documento onde o Grupo de Trabalho em Atividade Física traz diversas dicas e recomendações em relação à prática de atividades físicas para crianças e adolescentes.

Nas sugestões, a prática de yoga é mencionada. “O Yoga, uma prática milenar que pode ser realizada por indivíduos de qualquer idade, representa  uma  ferramenta  relevante  para  melhora  da  saúde  física,  com  importante estímulo para ganho de flexibilidade e força muscular. Além disso, o Yoga pode ser especialmente importante para o momento atual por possibilitar o distanciamento  físico  durante  a  prática  e  contribuir  para  a  estabilização  da  saúde  emocional  e  mental, auxiliando no enfrentamento do estresse, ansiedade e sintomas depressivos”, informa o documento. 

O documento também reforça que o indicado é que crianças e adolescentes pratiquem em média 60 minutos de atividade física por dia, alternando a intensidade destas atividades.

Como o yoga pode ser divertido e benéfico para os meus filhos?

As posturas são inspiradas em elementos da natureza e também nos animais, que são características que despertam a curiosidade das crianças. Os movimentos podem ser feitos de uma forma lúdica, com músicas e histórias, que faz do yoga uma atividade extremamente prazerosa.

Os pequenos também são mais flexíveis e, dessa forma, realizar as sequências de exercícios pode ser divertido. A musculatura em formação é fortalecida ao realizar as posturas, que tem efeito também no equilíbrio postural dos baixinhos.

A prática de yoga desempenhada pelas crianças acontece por etapas, que passam pela respiração, concentração e só depois disso ocorre a introdução das posturas, que vão se intensificando ao longo do tempo. Respeitar os limites do corpo também é extremamente importante, já que alguns movimentos tendem a alongar bastante.    

A importância da respiração

A respiração é uma das propriedades fundamentais do yoga. Para as posições, a criança vai precisar respirar com o nariz e barriga ao invés do tórax. Essa técnica é benéfica para o sistema respiratório e também regula a respiração, resultando em tranquilidade e relaxamento.

Melhora na autoestima

Por ser uma atividade que não envolve a competição, o yoga pode estimular a autoestima e autoconfiança na criança, já que os resultados vão sendo alcançados de forma individual.

Mesmo com essa individualidade, o papel desempenhado pelo professor, pai ou outra pessoa que esteja junto da criança no momento da atividade,  reforça também a cooperação e o aprendizado em conjunto.

Mais concentração

Como já mencionamos antes, prestar atenção na respiração é fundamental no yoga. É necessário se atentar neste aspecto e também manter o foco para realizar as posições. Dessa maneira, a criança desenvolve a concentração e encontra mais facilidade em outras esferas do seu cotidiano. 

Como praticar yoga em casa com meus filhos?

Atualmente a tecnologia tem facilitado esse processo. Existem vídeos, aplicativos e sites que introduzem o yoga de forma bem simples. Mas, apesar dessa facilidade, é preciso atenção. Verifique a fonte desses materiais, e principalmente, caso seus filhos pratiquem, fique atento quanto à reação deles ao fazerem os exercícios: dor e desconforto extremos não são um bom sinal.

Com respeito aos limites do corpo, paciência e vontade de aprender, o yoga pode fazer parte da rotina das crianças de maneira leve e positiva! 

Débora Nazário

FAQ Truth and Tales: o que muda com a assinatura

Olá! Se você chegou até este FAQ é porque provavelmente tem algumas dúvidas sobre o Truth and Tales e a assinatura. Organizamos aqui as principais perguntas pra te ajudar. Se a sua dúvida não se encontra por aqui, entra em contato com a gente que te respondemos rapidinho.

Os livros do Truth and Tales não eram de graça?

Não. O app Truth and Tales sempre foi grátis, mas os seus conteúdos nele sempre foram premium, ou seja, que você precisa pagar para acessá-los.

Com o início da pandemia, disponibilizamos um conto grátis no app como forma de incentivo à leitura e como uma alternativa de conteúdo de qualidade para as crianças em meio ao distanciamento social.

Essa medida foi promocional de um único conto, já que os outros dois estavam à venda. 

Agora tenho que pagar pelo Truth and Tales?

Todos os conteúdos do Truth and Tales são pagos. Para fazer download do Truth and Tales continua grátis, mas para acessar os conteúdos é preciso fazer a assinatura de um dos pacotes disponíveis. Hoje existem dois tipos de pacotes: o mensal e o anual. 

Como funciona a assinatura? 

Você pode escolher entre a assinatura mensal e a anual. Elas disponibilizam os conteúdos do app durante o tempo que você escolheu assinar.

Se você escolheu a assinatura mensal, você paga o mês e tem disponível os conteúdos do app durante um mês a partir do dia que você assinou.

O plano anual segue o mesmo princípio do mensal, mas para um ano a partir do momento que você assinou. 

Como funciona o plano mensal?

Ao assinar o plano mensal, você paga para acessar os conteúdos do Truth and Tales durante um mês a partir da data da assinatura. A assinatura é renovada automaticamente, ou seja, caso você não queira mais, é preciso cancelar a assinatura.

Você pode cancelar a assinatura quando quiser, mas vale lembrar que a cobrança não é parcial, ou seja, se o mês da assinatura virou, você será cobrado pelo mês inteiro mesmo se cancelar uma semana depois. 

Como funciona o plano anual? 

Ao assinar o plano anual, você paga para acessar os conteúdos do Truth and Tales durante um ano a partir da data da assinatura. O plano anual sai mais em conta se você colocar na ponta do lápis: tem um desconto equivalente a duas parcelas do plano mensal.

A assinatura é renovada automaticamente, ou seja, caso você não queira mais, é preciso cancelar a assinatura. Se você cancelar o plano anual antes do prazo de um ano, você continuará pagando as parcelas do valor do pacote.

Comprei os contos antes de virar assinatura. Vou perder os livros?

Quem comprou os contos antes de ser assinatura, fique tranquilo, você não vai perdê-los! Os contos que você comprou ficarão disponíveis normalmente caso você não assine algum plano.

Mas atenção: apenas os contos que você comprou ficarão disponíveis. Os contos que você não adquiriu ou outros conteúdos novos ficarão travados caso você não assine algum plano. Se você lia apenas o conto que estava gratuito, ele não estará mais disponível de graça na assinatura.

Se o seu dispositivo for iOS, é necessário que você “restaure a compra” para que o livro comprado anteriormente fique disponível de novo. 

Como eu faço para resgatar o conto que eu já havia comprado antes do Truth and Tales virar assinatura?

Se o seu dispositivo for iOS, é necessário que você “restaure a compra” para que ele fique disponível novamente. Para isso, abra o Truth and Tales e vá no ícone da bolinha, que fica no canto superior direito da tela. Passando pelo controle parental você chega na área dos pais. Chegando lá, clique nas configurações, que fica no canto superior direito. A última opção é “RESTAURAR COMPRAS”.

Eu já tinha o Truth and Tales antes de ser assinatura. Eu não ganho nada com isso?

Sim, você ganha um mega desconto no plano anual! Uhul!

Como eu faço para cancelar a assinatura?

O cancelamento de assinatura é tratado direto com a Apple App Store ou com a Google Play Store.

Esqueci minha senha, e agora?

Para recuperar a senha da conta do Truth and Tales, você precisa ir na Área dos Pais. A Área dos Pais fica no canto superior direito do app, onde parecem duas bolinhas.

Ao clicar ali, você precisa colocar o ano que você nasceu, que é o controle parental. Quando estiver dentro da Área dos Pais, você clica na engrenagem que fica no canto superior direito da tela. Uma janela com várias opções abrirá, e você vai clicar no último botão, que é “Gerenciar conta”.

Lá terão as informações do plano de assinatura e de conta. Se você já tiver cadastro, clique em “Login”. Ao abrir a tela de Login, clique em “Esqueceu sua senha?”. Aí você digita seu e-mail quando o app pedir e logo depois você receberá um e-mail nosso para redefinir sua senha por lá. 

Se você quer só mudar de senha, o caminho é o mesmo. Se você já estiver logado, aí é só clicar em  “redefinir”, digitar seu e-mail quando o app pedir e esperar o nosso e-mail de redefinição de senha chegar.

O que acontece se eu cancelar minha assinatura antes de terminar o mês?

A cobrança é feita logo que assina o plano, ou seja, no início do mês, então você será cobrado pelo mês inteiro mesmo se você cancelar a sua assinatura antes de terminar o mês.

Mas não se preocupe: mesmo que você cancele a assinatura, os conteúdos continuarão liberados até que o mês complete.

 

Se você tiver alguma outra dúvida que não falamos por aqui, pode ficar à vontade para entrar em contato e nos perguntar!

Loot Boxes e o vício em jogos

Você já ouviu falar em loot boxes? Elas são bem parecidas com os pacotes de figurinhas colecionáveis e aparecem em jogos populares como Fortnite.

Loot boxes são caixas de recompensas em jogos de videogame, jogos de computador e jogos de apps, que dão aos usuários itens aleatórios que podem ser utilizados nas partidas do jogos. Ao abrir uma no jogo, o usuário pode encontrar personagens, armas, roupas, fantasias e até passos de danças. Porém nunca sabe o que vai encontrar, ainda mais quando há itens mais raros que outros. Em alguns casos, os itens que vêm nas loot boxes são vendidos separadamente nas lojas dos jogos.

Criança (menina) de cerca de quatro anos mexendo num celular. Ilustração de uma caixa amarela com pontos de interrogação saindo representam uma loot box
Loot boxes são caixas de recompensas em jogos que dão aos usuários itens aleatórios que podem ser utilizados nas partidas.

As loot boxes estão em jogos bem populares como Fortnite, FIFA 18, Overwatch e Counter-Strike: Global Offensive. Estão de fácil acesso em qualquer um dos jogos. Em geral, podem ser adquiridas de duas formas: grátis, mas com número limitado por dia, ou comprando.

Junto com o crescimento dos jogos, cresceu também a quantidade de vídeos de gameplay, quando um jogador filma seu desempenho em algum jogo e posta no YouTube. Nas gameplays destes tipos de jogos, virou uma prática comum fazer unboxing* de loot boxes: o youtuber compra várias e abre enquanto comenta os itens que “ganhou”.

Como funciona

Por conta dos prêmios aleatórios, a mecânica da loot box nos jogos está sendo comparada à mecânica do cassino: você paga por algo que não sabe se vai ganhar. Nos jogos em questão, o usuário nunca vai sair de mãos abanando, já que os itens sempre irão aparecer. Mas nunca se sabe quais são os itens e a probabilidade é bem pequena de se ganhar o que deseja logo na primeira loot box que abrir.

Existem outras similaridades das loot boxes com os jogos de azar. A lógica do cassino de “quanto mais se joga, as chances de ganhar um item melhor aumentam” também está na mecânica das caixas premioadas. Também há a questão das cores: cassinos são bem coloridos e utilizam muito brilho. Ocorre a mesma coisa quando uma loot box é aberta. Os itens saltam na tela, há muitas luzes e sons que estimulam o jogador a jogar cada vez mais.

A mecânica das loot boxes nos jogos gera preocupação principalmente em relação ao público infantil dos jogos. É bem parecido com um cassino, já que jogos de azar viciam, e crianças ainda não entendem como eles funcionam. Segundo NBC News, a prática do loot box têm chamado atenção de psicólogos e grupos de defesa contra jogos de azar. Eles dizem que os consumidores dos jogos podem exibir comportamentos de vício parecidos com os de jogos de azar quando compram as caixas premiadas.

Loot boxes ao redor do mundo

Países como Bélgica e Holanda já proibiram que jogos com a mecânica das loot boxes sejam vendidos. A França e Nova Zelândia não consideram que os jogos têm características de jogos de azar. A União Europeia ainda discute se a mecânica utilizada é prejudicial a ponto de ser proibida.

As loot boxes giram uma economia de cerca de 30 bilhões de dólares e são umas das fontes mais rentáveis da indústria de jogos. A mecânica não é necessariamente ruim e prejudicial, mas é necessário que seja revista. Países como China e Coreia do Sul já discutiram a questão e obrigam que as publicadoras dos jogos divulguem quais as chances de ganhar cada prêmio nas loot boxes.

A polêmica sobre as loot boxes continua

A Ministra da Indústria Digital da Criatividade do Reino Unido Margot James se posicionou antes do comitê do Parlamento inglês sobre as loot boxes. Segundo o Games.Industry.biz, James considera que loot boxes são um meio em que as pessoas compram itens e artigos para melhorar a experiência do jogo e não geram expectativa de um retorno financeiro.

Margot James diz que se tiver evidências que as loot boxes têm relação com problemas de apostas e jogos de azar, então ela ficará preocupada e diz necessário tomar medidas e fazer algo a respeito. Mas até o momento não há pesquisas e dados suficientes acerca do tema. James defende que para regulamentar as loot boxes e as ‘apostas online’, pesquisas são necessárias para entender a situação e justificar a ação (no caso, a regulamentação).

:: Leia também: Guia Roblox completo para pais e mães ::

O contra ponto às loot boxes: Relatório sobre tecnologias imersivas e viciantes

Nas primeiras semanas de setembro, o Comitê Digital, Cultura, Mídia e Esporte (Digital, Culture, Media and Sports, DCMS, sigla em inglês) do Reino Unido publicou um relatório e entregou ao inquérito parlamentar. O relatório é sobre tecnologias imersivas e viciantes, tem 84 páginas e levou 9 meses para ser produzido.

O relatório traz dados e evidências de todos os lados da indústria de games, incluindo desenvolvedores, órgãos comerciais e acadêmicos. Nele, foi constatado uma “falta de honestidade e transparência entre as redes sociais e os representantes das empresas de jogos.

Se o governo quiser manter a mesma postura em relação aos loot boxes mesmo depois do relatório do DCMS, o comitê pediu um documento explicando os motivos pelos quais loot boxes e mecânicas de jogos de azar em video games e apps são exceções do ato de apostar/praticar jogos de azar.

O Comitê observou que as evidências sobre os potenciais danos das loot boxes (gambling simulado) permanecem escassas e, portanto, recomenda uma série de abordagens preventivas para o futuro.

As sugestões em relação às loot boxes

Além disso, o Comitê sugeriu que o governo do Reino Unido deveria aconselhar o PEGI** a aplicar o rótulo de conteúdo de gambling já existente e os limites de idade correspondentes a jogos que apresentem loot boxes ou mecânicas semelhantes.

O relatório ainda recomenda que, indo além das loot boxes, a indústria de games seja responsável por proteger os jogadores contra potenciais danos e apoie pesquisas independentes nos “efeitos a longo prazo das loot boxes e mecânicas de jogos de azar”.

O presidente do Comitê DCMS Damian Collins disse que “jogar contribui para uma indústria global que gera uma receita de bilhões. É inaceitável que empresas com milhões de usuários com crianças entre eles sejam tão mal informados para conversar sobre os possíveis danos dos seus produtos.”

Por fim, o Comitê sugeriu que é preciso de uma legislação para proteger as crianças de jogos que não são apropriados para sua idade. Isso surgiu de uma preocupação de que as empresas não estão reforçando as restrições de idade.

Posicionamento da Explot

Um dos pilares da Explot é a ciência e, assim como Margot James, apoiamos que decisões conscientes sejam tomadas baseadas em fatos e pesquisas. Mas ainda nos preocupamos com a exposição das crianças às loot boxes, como o comitê DCMS. Ainda que, em alguns países, os games precisam informar as chances de ganhar os itens, as crianças não têm noção de probabilidade, ou seja, a medida para proteger os usuários não se aplica ao público infantil.

*Unboxing é a quando alguém abre presentes, embalagens, caixas, etc. Se tornou muito popular quando os youtubers começaram a fazer vídeos abrindo presentes que ganharam ou algo novo que compraram.

**Pan European Game Information, sistema de avaliação de conteúdo de games criado para ajudar os clientes a tomarem decisões informadas antes de comprar jogos, video games e apps

Tecnologia: quando devo apresentar para meus filhos?

“Quando devo apresentar a tecnologia para as crianças?” Como uma empresa de tecnologia voltada para o público infantil, ouvimos essa pergunta com muita frequência de amigos, familiares e pessoas próximas, sejam pais, tios, avós ou pessoas que planejam ter filhos algum dia.

Cuidado com a idade!

A nossa primeira dica é: não dê tablet e celular antes da criança completar dois anos de idade. A exposição das telas a crianças menores de dois anos não traz benefícios e pode acarretar atraso em funções cognitivas. Vale lembrar que a televisão também é tela e deve seguir os mesmos cuidados do celular e tablet!

Se a criança tem mais de três anos e já pede pelas telas, fizemos um post sobre os limites de tempo de exposição das telas.

Meu filho não liga para telas. Isso é um problema?

Muitos adultos ficam preocupados quando seus filhos, netos, sobrinhos ou crianças próximas não se interessam pelas telas. As crianças não pedem para mexer no celular ou não são muito “da televisão”. Fique tranquilo: ele ou ela não vai ficar atrás dos coleguinhas no quesito tecnologia.

A tecnologia avança cada vez mais rápido. Crianças que aprenderam a mexer em celulares nos anos 2010 terão que reaprender a mexer nos de 2020, que já terá uma tecnologia totalmente diferente.

A tecnologia foi feita para ser intuitiva e fácil de usar. Se sua filha ou filho se interessar aos 12 anos de idade, pode ter certeza que irá aprender a pilotar a máquina bem rápido e com facilidade. O mesmo vale para crianças de 5, 7, ou 10 anos.

Quanto mais tarde tiver contato com celulares e tecnologia, mais protegida a criança estará

Sabemos que há muitos benefícios: muitos apps que visam o desenvolvimento da criança estão surgindo e são verdadeiros parques de diversões para a criatividade dos pequenos, mas não podemos ignorar o fato de que a tela seduz. Se nós, adultos, já perdemos a noção do tempo quando estamos no celular, imagine uma criança.

Nosso posicionamento é esse: quanto mais a criança quiser esperar pra começar com a “vida tecnológica”, mais benefícios da tecnologia ela terá. O que não significa que precisamos polarizar. Se a criança demonstrar interesse ainda nova, não tem problema deixá-la usar se utilizar com responsabilidade, com a participação e supervisão de adultos, com limite de tempo e consumindo conteúdos de qualidade e indicados para a sua idade.

Atividade física, brincadeiras e muita diversão: Saúde para nossas crianças!

Carol é Fisioterapeuta, mãe do Pedro de 6 anos e da Clara de 2 anos. Passou parte da quarentena com a sua família sem poder sair do apartamento (literalmente!) porque seu prédio está interditado pela defesa Civil e têm usado bastante da criatividade para fazer as crianças praticarem atividade física.

Os benefícios

As crianças são uma fonte de energia e vida! É da natureza delas estar em movimento e criatividade. Estimular e apoiar essa natureza pode ser um grande incentivo a promoção e desenvolvimento da saúde nas crianças e adolescentes. 

A prática de atividade física na infância e na adolescência auxilia no equilíbrio do balanço energético e na prevenção da obesidade, melhora a circulação sanguínea e oxigenação do corpo e do cérebro, auxilia na melhora do metabolismo, no reforço do sistema imunológico, na melhora da cognição, autoestima e sentimento de bem estar. 

A atividade física desenvolve a força muscular, flexibilidade e resistência, aperfeiçoa a coordenação motora, estimula o metabolismo ósseo, aumenta a capacidade respiratória e cardíaca, melhora o humor, efeitos estes a curto e longo prazo. 

Ser fisicamente ativo todos os dias é importante para a promoção da saúde integral das crianças e dos adolescentes, e é fundamental que as atividades sejam prazerosas e adequadas ao estado individual de crescimento de cada criança e cada adolescente. 

O que e como pode ser feito?

Para a Sociedade Brasileira de Pediatria, a atividade física pode ser estimulada na vida da criança a partir do seu primeiro ano de vida. Rolar, engatinhar, andar, correr, pular e outros exercícios trazem inúmeros benefícios para a saúde. 

Em tempos de avanços tecnológicos e grande disponibilidade de jogos virtuais, tablets e videogame, a prática da atividade física pode ficar um pouco mais esquecida. As crianças geralmente se espelham e se inspiram nas ações e hábitos de vida dos seus pais ou dos adultos que as cercam e, por isso, precisamos estar atentos ao que queremos passar para nossas crianças e nossos adolescentes. 

Seguir uma rotina saudável com incentivo a bons hábitos alimentares, meditação e exercícios em casa para que os pequenos se mantenham ativos é muito importante para um crescimento e desenvolvimento saudável. 

Mas o que fazer, e como fazer, quando se tem uma jornada de trabalho cansativa, tempo contadinho e mil coisas para resolver? E mais ainda: quando se está de quarentena, sem poder sair de casa, com duas crianças pequenas, em um apartamento? 

Tá tudo bem pai e mãe, estamos juntos! Tem dias que parecemos uma família de atletas, mas tem dias que tudo vira uma bagunça! Relaxa, um dia de cada vez até que vire uma rotina gostosa!

Vou compartilhar aqui com vocês algumas coisas que estamos vivendo e que na minha experiência está funcionando! 

Podemos, dentro de casa, criar um ambiente favorável e atrativo para a prática de atividade física com as crianças. Vale tudo! Vale brincadeira, dança, jogos, festa, música – o importante é deixá-los livres e à vontade diante da atividade. 

Determinar um horário do dia para realizar a atividade física é bem interessante e funciona. Por exemplo, às 10 horas da manhã nos reunimos na sala e fizemos a chamada para a hora do exercício. Colocamos uma música legal, que as crianças gostam, e observamos como elas reagem. E então propomos a eles a nossa série de exercícios, e os realizamos. 

Esses exercícios geralmente duram de 10 a 15 minutos, e envolvem polichinelo, agachamento e flexão. As crianças geralmente reproduzem estes exercícios e aos poucos entram no clima! A partir daí, nós deixamos a imaginação e a criatividade fluir! Às vezes vira uma bagunça, outras vezes conseguimos fazer e criar exercícios super legais! 

É importante darmos a direção para eles ao mesmo tempo que estamos atentos ao fluxo, ao que as crianças querem nos dizer e mostrar! Muitas vezes eles tem idéias e invenções mais legais e divertidas do que a brincadeira que queremos propor para eles! 

Vou citar aqui algumas atividades que nós e as crianças desfrutamos juntos e que podem ser super legais para vocês também! 

  • Atividades que envolvam habilidades motoras como correr, dançar, rolar, pular podem ser super divertidas e dinâmicas. Elas estimulam a criatividade, atenção e motricidade global e focal, lateralidade, desenvolvimento espacial e corporal! 
  • Criar circuitos, com bambolê, almofadas, garrafas pet vazias, ou utilizando os próprios brinquedos como obstáculos e barreiras para atravessar podem ser muito divertidos! Deixe a criança criar e ajudar na construção! 
  • Atividades de acertar no alvo, por exemplo acertar tampinhas de garrafa, bolinhas de plástico ou de papel dentro de copos plásticos (ou outros recipientes); usar garrafinhas plásticas em pé como alvo e, para acertar dentro delas, podemos usar argolas ou o miolo do rolo de fita adesiva; 
  • Corrida de saco usando fronhas de travesseiro e almofadas. 
  • Salto em distância no colchão, marcando com fita adesiva o salto de cada um para estimular habilidades motoras do movimento, força e flexibilidade; 
  • Brincadeiras de mímicas com temas, por exemplo, de animais ou de personagens. Estimula a linguagem e consciência corporal; 
  • Brincadeiras de corrida de revezamento, onde se passa e recebe bolinhas ou bastões; 
  • Arremesso de bola no cesto ou balde para estimular a concentração e coordenação motora; 
  • Futebol de bola de papelão, 
  • Brincadeiras de quem junta os brinquedos mais rápido depois do apito ou de quem acha mais bolinhas da cor verde, por exemplo em um determinado tempo; 
  • O mestre mandou: correr, pular em um pé só, bater palmas, levar a mão no pé, sentar e levantar… 

São muitas brincadeiras que podemos criar em forma de exercício! Se abrirmos um espacinho na nossa rotina para a atividade física e junto trouxermos nossos filhos, o que é para ser um importante benefício a nossa saúde vira também um momento de muito amor, alegria e união!

Compartilhem com a gente no instagram as atividades que vocês fazem em casa! É só marcar @truthandtales.app

A ciência comprova: brincar tem benefícios no aprendizado

Brincar faz bem para o corpo, para a alma e também para o cérebro. Neste artigo, trouxemos alguns pontos apoiados pela ciência que mostram que os benefícios de brincar estão em diferentes áreas, e que brincar tem efeitos positivos no cérebro e na habilidade de aprendizado da criança.

Evidências de que brincar promove soluções criativas de problemas

Psicólogos distinguem dois tipos de problemas: convergente e divergente. Um problema convergente tem uma única solução ou resposta. O problema divergente rende-se a várias soluções. Algumas pesquisas sugerem que a forma como as crianças brincam contribui para a capacidade de resolver problemas divergentes.

Em um experimento, pesquisadores apresentaram dois tipos de materiais lúdicos para crianças de idade pré-escolar (Pepler and Ross 1981). Algumas crianças receberam materiais para brincadeiras convergentes (peças de quebra-cabeças), e outras crianças receberam materiais para brincadeiras divergentes (blocos de montar). As crianças tiveram tempo para brincar e então testaram suas habilidades de resolver problemas.

Crianças que receberam brinquedos de materiais divergentes performaram melhor em problemas divergentes e mostraram mais criatividade nas tentativas para resolver os problemas.

Outro estudo experimental sugere uma conexão entre brincadeiras de faz-de-conta e capacidade divergente de solução de problemas (Wyver and Spence 1999). Crianças que brincavam de faz-de-conta mostraram uma maior capacidade de resolver problemas divergentes. O inverso também foi verdadeiro: crianças treinadas para resolver problemas divergentes mostraram taxas maiores nas brincadeiras de faz-de-conta.

Faz-de-conta, auto-regulação e raciocínio sobre diferentes possibilidades

Solucionar problemas divergentes não é a única habilidade cognitiva ligada com o faz-de-conta. Brincadeiras de faz-de-conta também são relacionadas com dois conjuntos de habilidades cruciais: a capacidade de se auto-regular (impulsos, emoções, atenção) e a de raciocinar de maneiras lógicas e contrafactuais (com noções de possibilidade e relação entre o antecedente e o consequente).

Nos primeiros casos, estudos reportaram que crianças que se engajam e brincam de faz-de-conta com mais frequência têm habilidades de auto-regulação mais fortes. Embora sejam necessárias mais pesquisas para determinar se a ligação é casual (Lillard et al 2013), os dados são consistentes com essa possibilidade.

Você não pode brincar de faz-de-conta com outra pessoa a menos que ambos queiram brincar disso. Portanto, quem brinca de faz-de-conta deve concordar com as regras que se estabelecem no momento da brincadeira, e a prática de concordar com essas regras pode ajudar crianças a desenvolverem um melhor auto-regulação ao longo do tempo.

No segundo caso, muitos pesquisadores notaram semelhanças entre o faz-de-conta e o raciocínio contrafactual, ou seja, a capacidade de pensar hipoteticamente e de imaginar o futuro.

Alison Gopnik e seus colegas argumentaram (Walker and Gopnik 2013; Buchsbaum et al 2012) que o raciocínio contrafactual nos ajuda a planejar e aprender, permitindo-nos pensar em vários “e se”.

O brincar de faz-de-conta toca nas mesmas habilidades. Brincar de faz-de-conta oferece às crianças oportunidades valiosas para melhorar seu raciocínio sobre diferentes possibilidades no mundo.

Para apoiar essa ideia, pesquisadores encontraram evidências de uma ligação entre o raciocínio contrafactual e a brincadeira de faz-de-conta em crianças de idade pré-escolar. A correlação permaneceu significativa mesmo após um teste de capacidade das crianças em suprimir seus impulsos. (Buchsbaum et al 2012).

Crianças prestam mais atenção às tarefas escolares quando têm oportunidades mais frequentes de brincar livremente

Muitos estudos experimentais mostram que crianças em idade escolar dão mais atenção às tarefas acadêmicas após um intervalo em que ficam livres para brincar sem a orientação de adultos (Pellegrini e Holmes 2006).

Também existem evidências circunstanciais: as escolas chinesas e japonesas, famosas pelo foco e disciplina, oferecem pequenos intervalos a cada 50 minutos aos estudantes. (Stevenson and Lee 1990)

Nota: aulas de educação física não são substitutos eficazes do tempo livre para brincar (Bjorkland and Pellegrini 2000). O exercício físico tem importantes benefícios cognitivos por si só, mas aulas de educação física não oferecem os mesmos benefícios que o recreio.

Pesquisadores suspeitam que isso ocorre porque aulas de educação física são muito estruturadas e dependem bastante das regras impostas pelos adultos. Para colher todos os benefícios das brincadeiras, o intervalo para brincar deve ser realmente divertido.

Quanto tempo um intervalo deve ter? Ninguém sabe ao certo, mas existem algumas evidências de recessos entre 10 e 30 minutos. Em estudos com crianças pequenas de 4 e 5 anos, pesquisadores descobriram que intervalos de 10 a 20 minutos aumentavam a atenção em sala de aula. Intervalos com mais de 30 minutos tinham o efeito contrário(Pelligrini and Holmes 2006).

Brincar e explorar desencadeiam a secreção do BDNF, substância essencial para o crescimento das células cerebrais.

De novo: ninguém descobriu uma maneira ética para testar isso em seres humanos, por isso as evidências vêm de ratos. Depois de brincar, ratos mostraram um aumento nos níveis de fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) (Gordon et al 2003).

O BDNF é essencial para o crescimento e manutenção das células do cérebro. Os níveis de BDNF também aumentaram depois que os ratos puderam explorar o ambiente em que estavam(Huber et al 2007).

Linguagem e os benefícios de brincar

Estudos revelam que há uma ligação entre brincadeira de faz-de-conta e o desenvolvimento das habilidades linguísticas (Fisher 1999). O psicólogo Edward Fisher analisou 46 estudos sobre os benefícios cognitivos do brincar.

Ele descobriu que “brincadeiras sociodramáticas”, que são quando crianças brincam de faz-de-conta juntas, “resultam em melhores performances nos domínios cognitivo-linguístico e afetivo social”.

Um estudo com crianças de 1 a 6 anos na Inglaterra mediu a capacidade das crianças com brincadeiras de faz-de-conta. Foi pedido às crianças que realizassem tarefas simbólicas, como substituir um ursinho de pelúcia por um objeto ausente.

Pesquisadores descobriram que crianças obtiveram maior pontuação no teste de brincadeiras simbólicas tinham melhores habilidades de linguagem, tanto na receptiva (o que a criança entende) quanto na linguagem expressiva (as palavras que ela usa). Esses resultados permaneceram significativos mesmo após as crianças crescerem.

Pesquisas recentes também sugerem que brincar com brinquedos de montar contribui para o desenvolvimento da linguagem. Para mais informações, leia este artigo sobre construção de brinquedos e os benefícios de brincar.

Habilidades matemáticas e os benefícios de brincar

Aqui está uma intrigante história sobre brincar e matemática: um estudo mediu a complexidade de crianças de 4 anos que brincam com blocos e acompanhou suas performances escolares até o ensino médio (Wolfgang, Stannard, & Jones, 2001).

Pesquisadores descobriram que a complexidade da brincadeira de montar blocos previa as conquistas em matemática das crianças no ensino médio. Aquelas que usaram os blocos de maneiras mais sofisticadas nas brincadeiras na pré-escola obtiveram melhores notas em matemática e fizeram mais cursos de matemática quando adolescentes.

Esses resultados podem apenas nos dizer que crianças inteligentes na pré-escola continuam inteligentes ao longo da vida escolar, mas não é tão simples.

A associação entre as brincadeiras de blocos e a performance em matemática permaneceu mesmo depois que os pesquisadores mediram e acompanharam o QI de uma criança. Portanto, é plausível que as brincadeiras com blocos influenciam o desenvolvimento cognitivo das crianças.

Experimentos com animais: Brincar melhora a memória e estimula o crescimento do córtex cerebral

Em 1964, Marion Diamond e seus colegas publicaram um artigo interessante sobre crescimento cerebral em ratos. Os neurocientistas conduziram um experimento criando alguns ratos em confinamento solitário e sem estímulos, e outros em colônias divertidas e cheias de brinquedos.

Quando os pesquisadores examinaram o cérebro dos ratos, descobriram que os ratos que viviam em colônias tinham córtices cerebrais mais espessos do que os ratos que viviam em confinamento.(Diamond et al 1964).

Pesquisas subsequentes confirmaram os resultados de que ratos criados em ambientes com estímulos tinham cérebros maiores. E eles também eram mais inteligentes, ou seja, mais capazes de achar a saída em labirintos mais rapidamente (Greenough and Black 1992).

Estes benefícios de brincar se estendem aos humanos? Considerações éticas nos impedem de realizar experiências semelhantes em crianças. Mas parece que o cérebro humano responda ao brincar e à exploração de maneiras semelhantes.

Experiências lúdicas são experiências de aprendizado

Para que ninguém duvide que as crianças aprendem brincando, devemos ter em mente os seguintes pontos:

1) A maioria das brincadeiras envolve exploração, que é, por definição, investigar.

É fácil perceber como isso se aplica a um cientista iniciante que brinca com ímãs, mas também se aplica a atividades “não intelectuais”, como filhotes brincando de “lutinha”.

Os animais testam laços e aprendem a controlar seus impulsos para que uma luta amigável não se transforme em agressão anti-social. Brincar é aprender.

2) Brincar é motivador e divertido

Tudo o que é aprendido brincando é conhecimento adquirido sem a percepção do trabalho duro, de “sem dor não há ganho”. Isso contrasta com as atividades que desempenhamos como deveres.

Quando a atividade é considerada árdua, nossa habilidade de permanecer focado pode parecer um recurso limitado ao longo do tempo (Inzlicht et al 2014).

É difícil de alcançar um fluxo, a experiência psicológica de estar feliz e completamente imerso no que se está fazendo. Brincar é uma alternativa para conseguir esse fluxo.

3) Há evidências empíricas de que crianças tratam as brincadeiras como um tutorial para lidar com os desafios da vida real

Por todo o mundo crianças se envolvem em brincadeiras de faz-de-conta que simulam atividades que precisam dominar quando adultas (Lancy 2008), sugerindo que essas brincadeiras são uma forma de prática. Quando as crianças são munidas com informações durante o faz-de-conta — seja de amigos ou de adultos — elas as aceitam.

Experiências nos Estados Unidos com crianças em idade pré-escolar sugerem que crianças de até 3 anos de idade fazem distinções entre realidade e a fantasia do faz-de-conta, e usam as informações aprendidas no mundo real (Sutherland and Friedman 2012; 2013).

Fonte: https://www.parentingscience.com/benefits-of-play.html?fbclid=IwAR3XPLfFzrKCmRzI_vfAtz1feleXx6pBW9D7-UXCZpqIFuODF_uZ_5gGWpI

Guia Roblox completo para pais e mães

Roblox é um dos jogos do momento no mundo das crianças. Por isso, traduzimos o material que o Common Sense Media compartilhou para que os pais possam entender melhor o que é o Roblox e como deixar que seus filhos aproveitem essa plataforma online de maneira segura.

Roblox é uma plataforma de jogos online, e está fazendo bastante sucesso, da mesma forma que causa polêmica. A plataforma do Roblox oferece uma ferramenta sofisticada de desenvolvimento de games onde os usuários podem jogar ao mesmo tempo com muita variedade de jogos, criatividade, competição e socialização: quase tudo isso de graça.

O potencial de ser uma ferramenta de aprendizado é semelhante ao Minecraft. Como o conteúdo do Roblox é gerado pelos próprios usuários, as crianças podem ser expostas a uma variedade enorme de materiais. Muito desses materiais são adequados para pré-adolescentes e adolescentes. Parte deles é apenas irritante, com propagandas incessantes para comprar o “robux”, a moeda do Roblox. E uma parte desse material é muito preocupante, como o comportamento predatório e fóruns com conteúdo sexual explícito.

No entanto, com atenção e cuidado aos sinais de alerta, configurações de privacidade e outras precauções de segurança, as crianças podem ter uma experiência rica e emocionante jogando Roblox. Mas para isso, a sua compreensão de como isso funciona e como seus filhos podem usá-lo com segurança é fundamental.

O que é Roblox?

Roblox é uma plataforma de jogos online onde você pode jogar os jogos que outros usuários desenvolveram ou criar e compartilhar seus próprios jogos usando a ferramenta de desenvolvimento de jogos do Roblox. Quando você se inscreve na plataforma, você pode jogar uma infinidade de jogos, construir e compartilhar suas criações e bater papo com outros usuários no chat do Roblox – tudo isso de graça. Se seus filhos levarem o Roblox a sério, eles precisarão do Robux, a moeda do Roblox, e provavelmente vão querer se inscrever no Builders Club, que oferece recursos adicionais por uma taxa de associação.

Como o Roblox funciona?

O Roblox oferece dois modos: jogar e criar os jogos. Após se registrar na plataforma, o usuário tem acesso irrestrito a ambos os modos (apesar de que a maioria das crianças está lá só para jogar).

O usuário pode escolher dentro de uma infinidade de jogos, desafios criativos e divertidos em várias categorias, desde jogos de tiro a mistérios de assassinatos, esportes e jogos de luta. Infelizmente não é possível procurar os jogos por categoria ou gênero, então encontrar algo que você gosta é um processo de tentativa e erro.

Você também pode baixar o Roblox Studio e trabalhar na construção de seus próprios jogos. A jogabilidade não é nivelada, mas os jogos dos bons jogadores tendem a aparecer no topo do feed. Alguns desenvolvedores amadores usam o Roblox como portfólio. Para as crianças que estão interessadas em criar seus próprios jogos, Roblox oferece muitas instruções, uma enciclopédia e muitos jogadores prontos para ajudar.

Os criadores podem monetizar seus jogos para gerar receita, tanto cobrando para jogar os jogos quanto oferecendo compras no jogo, necessárias conforme o uso – geralmente necessárias para progredir no jogo.

Qual a idade apropriada para o Roblox?

O Roblox não especifica uma idade mínima para utilizar a plataforma. Usuários de qualquer idade podem jogar, criar jogos, entrar em chats e interagir com outros jogadores. A empresa se baseou na teoria construtivista, que promove os benefícios educacionais da curiosidade, do design e da construção e, na teoria, é apropriado para que qualquer pessoa possa utilizar a plataforma e tudo o que ela oferece.

Mas na prática, essa abordagem aberta pode apresentar alguns riscos para crianças, especialmente para as mais novas. Embora o Roblox já tenha algumas precauções de segurança, as crianças continuam sendo alvo para pessoas com más intenções.

Apesar dessa questão, o Common Sense Media classifica como OK para usuários maiores de 10 anos. Insistimos que os pais ajudem as crianças a se protegerem ativando as configurações de privacidade, ensinando como reconhecer os métodos usados pelos predadores para ganhar a confiança de crianças, mostrando para as crianças como denunciar comportamentos inadequados e a bloquear usuários.

:: Leia também: Guia completo de Among Us ::

O Roblox tem controle parental?

O Roblox oferece contas de controle que permite que os pais restrinjam como as crianças podem interagir na plataforma. Você pode controlar se outros usuários podem entrar em contato com seus filhos, quem pode enviar mensagens para eles, quem pode conversar com eles e restringir algumas outras coisas nas configurações de contato.

Para ativar essas notificações, você adiciona o seu endereço de e-mail na conta do seu/sua filho/a e cria uma senha que impede que as crianças alterem as configurações de volta. As contas de controle são opcionais: crianças de qualquer idade podem criar contas no Roblox sem restrições parentais. Nas contas de crianças menores de 13 anos, o Roblox automaticamente define configurações de segurança mais rigorosas, mas uma criança pode alterá-la se não houver a senha dos pais.

Explicamos como funciona o controle parental de forma mais detalhada neste artigo.

O Roblox tem chat de conversa? É seguro?

Roblox encoraja que os usuários interajam pela função Chat & Party. Todos os chats são filtrados, ou seja, linguagem inapropriada é trocada por hashtags. As conversas nos chats de usuários menores de 13 anos são mais filtradas. Roblox também tem pessoas que ficam monitorando a linguagem e o conteúdo dos chats.

Predadores Sexuais são um grande problema no Roblox?

Existem predadores sexuais no Roblox assim como em qualquer outra grande rede social. Consideramos “predadores sexuais” qualquer pessoa que tem intenção de coagir sexualmente outra pessoa. Os predadores se aproveitam do bate-papo fácil e acessível do Roblox para atingir suas vítimas.

Para ter noção do quão fácil é entrar no bate-papo do Roblox: tudo o que você precisa fazer é se inscrever no Roblox para começar a conversar, e a janela Chat & Party aparece em quase todas as páginas do site. Roblox utiliza pessoas e robôs para monitorar para expulsar pessoas que violam os termos de uso da plataforma, mas eles aparecem ocasionalmente.

Para evitar que um predador entre em contato e para jogar de forma mais segura possível, as crianças devem ativar as configurações de contato mais restritivas (encontradas na página de configurações de privacidade). Você pode impedir que qualquer pessoa entre em contato com você ou com seu/sua filho/a desative totalmente o bate-papo ou limite interações para apenas amigos.

É necessário que oriente as crianças para que não conversem com pessoas que não conheçam, a menos que possam verificar se realmente são amigos, ou amigos de amigos, na vida real, e para que não aceitem mensagens privadas de ninguém que não conheçam. Oriente-os para que nunca divulguem informações pessoais, que confiem em seus instintos se alguém os colocarem numa situação desconfortável, e que nunca mudem a conversa para outra plataforma ou rede social.

O que são os “ODers” do Roblox?

OD é a abreviação de Online Dater, que significa “namorador online”. São pessoas que estão nas redes sociais e chats de todos os tipos, inclusive do Roblox, para marcar encontros românticos. Há jogos no Roblox criados especificamente para ODers. Roblox não explicita que ODers são proibidos na plataforma, e ODers não necessariamente atacam crianças (eles podem estar à procura de outros ODers). As pessoas que monitoram os chats do Roblox procuram por conversas e conteúdos inapropriados, já que as regras da plataforma proíbem o bate-papo de cunho sexual.

Há também o tipo de ODers: pessoas que querem apenas fazer amizades. O que acontece é que muitas vezes essas pessoas só se aproximam e ficam amigos dos usuários para conquistar a confiança e fazer com que esses usuários doem Robux.

Se o/a seu/sua filho/a quiser usar o Roblox, é essencial que você analise e revise questões de segurança online com a criança, como identificar possíveis predadores, denunciar e bloquear usuários, e como identificar comportamentos que predadores usam para fazer com que as vítimas confiem neles.

:: Você também pode se interessar por: Apps Freemium x Apps pagos: como os aplicativos ganham dinheiro e como isso afeta as crianças ::

O que é Robux?

Robux é a moeda do Roblox. Você pode usar para comprar uma série de coisas, como roupas e animações especiais para seu avatar, habilidades em jogos, armas e outros objetos. Há diferentes jeitos de conseguir Robux: você pode comprá-los, obtê-los como parte de sua assinatura (que você pagaria), negociar ou ganhar de outra pessoa que tenha. Você também pode ganhar cobrando dos usuários que jogam os jogos ou cobrando por itens em seus jogos que você criou no Roblox.

Como as crianças ficam sabendo do Roblox?

Há muitos vídeos de usuários jogando os jogos do Roblox no YouTube, Twitch, Miniclip e outros canais de vídeos e streaming. Como o Roblox já é bem conhecido e procurado, esses vídeos têm bastante visualizações e acabam sendo recomendados, por exemplo.

Quanto Robux custa?

Roblox usa o modelo Freemium/Premium. Você pode fazer muitas coisas no Roblox sem precisar pagar por nada, como jogar MUITOS jogos ou usar o Roblox Studio game builder para fazer seus próprios jogos. Mas para fazer qualquer coisa além do básico, como animar o seu avatar ou comprar e trocar armas, é preciso de Robux.

A empresa oferece alguns modelos de assinatura no Builders Club, o programa de sócios do Roblox: o ‘clássico’ custa US$5,95 por mês ou US$57,95 por ano; o pacote ‘turbo’ é US$11,95 mensais ou US$85,95 anuais; e o pacote ‘outrageous’, de US$19,95 por mês ou US$129,95 por ano. Você recebe um certo número de Robux por dia, dependendo do pacote que você comprou.

É possível ganhar dinheiro de verdade no Roblox?

Sim, você pode ganhar dinheiro de verdade com o Roblox. Na verdade, criadores dedicados podem ganhar bastante dinheiro. O Roblox oferece alguns modelos diferentes de geração de receita, incluindo cobrar de outros que acessam o jogo que você criou, cobrança de taxas em seu jogo em troca de itens raros pelos quais outros jogadores estão dispostos a pagar. Para monetizar os jogos, o usuário precisa ter mais de 13 anos, ser um membro do pacote outrageous do Builders Club e ter pelo menos 100.000 Robux na sua conta. E então o usuário pode trocar o Robux por dinheiro real. 100,000 Robux vale US$350.

Outras informações que podem ser úteis:

  • Como existe o Robux, a moeda do Roblox, existem usuários mais “ricos” que outros. Quando um usuário acaba de se cadastrar, ele não tem nenhum Robux, por exemplo. Crianças que não têm Robux podem ser alvos fáceis de cyberbullying. Segundo um usuário que comentou na página do artigo do Common Sense Media, vale a pena comprar US$10 de Robux para que a criança consiga comprar itens para customizar seu avatar e evitar que seja alvo de cyberbullying.
  • Se a criança está sendo alvo de cyberbullying nos chats, é possível bloquear o usuário que está xingando ou ofendendo. Feito isso, a criança não consegue ler o que a pessoa digita no chat.
  • Já aconteceu de usuários usarem os avatares para praticar atos impróprios e sexuais dentro do jogo. Caso isso aconteça, denuncie as contas que estão fazendo isso e, se o jogo tiver um chat, denuncie na conversa e escreva seu relato no bate-papo para que os criadores possam ver o seu comentário.

:: Leia também: TikTok: o que você precisa saber sobre a rede social popular entre crianças e adolescentes ::

Meus filhos estão viciados em celular. E agora?

O uso de celular e tecnologias em geral pelas crianças vem sendo atacada pela mídia, escola, médicos e parentes. A tecnologia pode ser uma aliada se utilizada de forma responsável e guiada pelos pais, mas é comum encontrarmos crianças que já estão dependentes das telas.

Mas e se meu filho já está dependente do celular, o que fazer?

Primeiro, precisamos entender o que acontece quando uma criança está utilizando o em celular fora de lugar e proporção. O uso das tecnologias vira um problema quando:

  • Prefere utilizar todo o seu tempo livre em celulares, tablets ou televisão;
  • Deixa de brincar com coisas que gostava para ficar no celular;
  • Fica extremamente irritada quando a bateria do celular acaba ou quando um adulto impõe limite de tempo;
  • Não está mais tão presente na rotina da casa: não presta atenção nas conversas, não interage com a família porque está conectado ao celular;
  • Não faz as tarefas da escola de jeito nenhum, mesmo com os pais perguntando ou lembrando (essa vale uma atenção: a maioria das crianças não gostam de fazer tarefas da escola e tentam fugir ao máximo dessa responsabilidade. Este item vale muito mais como um comparativo em relação a como a criança lidava com as tarefas antes de querer ficar só utilizando eletrônicos);
  • A criança ou adolescente demonstra comportamentos mais agressivos do que antes de quando utilizava telas em excesso;
  • O sono é afetado. A hora de dormir fica cada vez mais tarde e a criança sente dificuldade em relaxar e dormir. Isso tem relação com a quantidade de estímulo que o cérebro recebe e com os conteúdos que a criança consome perto do horário de dormir;
  • A criança recria cenas e atos violentos sem considerar o que está fazendo e com alguma frequência;
  • Fica monotemático: conversa sempre sobre as mesmas coisas e não demonstra interesse em outros assuntos;

Se você identificou algum destes itens no comportamento de seus/suas filhos/as, pode ser que as tecnologias estão sendo utilizadas em excesso na sua casa.

O que fazer quando as crianças usam demais o celular?

Antes de tomar qualquer providência, observe como você usa o seu tempo livre em casa e a frequência com que você utiliza o celular, tablet ou televisão. As crianças copiam o comportamento dos pais e, se os pais também usarem as tecnologias em excesso na frente dos filhos, fica mais difícil das crianças mudarem o comportamento em relação às telas. Se você trabalha com o uso de celular, vale explicar que celular é o seu meio de trabalho.

O tempo em que família passa junto é fundamental na vida das crianças, e deixar celular de lado nestes momentos é importante. Ajudar as crianças a superarem o uso excessivo do celular é também olhar para seus hábitos e rever como você utiliza.

:: Leia também: Loot Boxes: estamos viciando nossos filhos em jogos de azar sem saber? ::

O que fazer para melhorar a relação com o celular?

Feito isso, converse com seu/sua filho/a sobre o uso do celular, independente da idade da criança. Explique os motivos pelos quais não é saudável o excesso das tecnologias. Lembre-se de que alertar não é causar pânico ou vergonha.

Estipule um limite de tempo junto com seu/sua filho/a. Trazer a criança para este tipo de decisão torna o limite menos injusto na visão dela, além de também concordar com o tempo de uso.

Use o seu tempo livre e o de seu/sua filho/a juntos. Ao invés de ficar no celular, jogue jogos de tabuleiro, inventem um jogo de vocês, ensinem a cozinhar, façam o jantar juntos. Aproveite esse tempo para fortalecer o laço familiar.

Vale lembrar que participar das atividades com celular, tablet ou TV no tempo estipulado que a criança tem é saudável: o vínculo também é criado e, ao mesmo tempo que você se aproxima da criança e consegue ter uma ideia do que ela consome no celular, a criança entende que você se interessa pelo mundo dela.

Também pode funcionar:

Outras dicas que podem facilitar na hora de largar o celular é ter um cronômetro físico onde você e seu/sua filho/a podem colocar o tempo combinado juntos na hora que a criança for utilizar o celular, tablet, ou ver televisão. O cronômetro pode ser temático ou até customizado pela criança.

Ter uma “cestinha offline”, onde todos da casa, inclusive adultos, colocam seus celulares quando não estão usando também é uma boa ideia. Durante as refeições pode ser uma boa hora para que a cesta esteja cheia, por exemplo.

Uma sugestão é não tratar o celular como uma moeda de troca ou como um recurso de prêmio/castigo. Colocar os dispositivos desta maneira na vida das crianças pode fazer com que elas façam suas tarefas não porque precisam fazer, mas para ganhar mais tempo no celular.

Quando se trata de castigo, é injusto tirar um “direito” já combinado anteriormente por conta de mau comportamento, ainda mais quando o mau comportamento não tiver relação com o celular, televisão ou tablet. Premiar ou castigar utilizando os celulares pode causar uma grande insegurança e consequente ansiedade na criança, pois não há uma regra clara de quando ela vai ganhar ou perder o direito de uso.

Crianças e exposição às telas: até onde pode?

Quem nasceu a partir de 1985 faz parte da geração millennial*, considerada “nativa digital”, ou seja: crianças cresceram cercados por várias tecnologias, incluindo uso de telas. Televisão e videogames eram as tecnologias utilizadas por crianças e jovens nas décadas de 1980 e 1990 e tinham bastante influência em países como Brasil, Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos.

Os millennials já estão no mercado de trabalho, criando famílias e experimentando a maternidade. É uma geração que dá bastante valor à tecnologia, afinal, cresceu em meio à ela. Um exemplo disso é que, segundo o site Mindminners, ter um smartphone é tão importante quanto um plano de saúde para essa geração.

E os filhos dos millennials, como ficam no meio de tudo isso? Como as crianças podem conviver com telas e gadgets de forma saudável?

Criança no colo da mãe, que segura um tablet (telas) com o app Truth and Tales aberto numa tela. Ilustrações de passarinhos e fadas.
Equilíbrio sempre é bem-vindo: sugerir, participar e priorizar brincadeiras sem telas e offline com crianças, mas não proibir o uso total das telas.

Aplicativos de livros, histórias, educação, jogos e vídeos musicais são bem populares nas telas de celulares e tablets dos pais de crianças entre dois e oito anos. A maioria das crianças já sabe usar e vai pedir, já que vê os pais utilizando o aparelho. Nessa idade, é recomendável priorizar o tempo com a criança sem o uso dessas ferramentas, já que a criança quer brincar com alguém. Se a atenção dos pais estiver na criança, a ânsia por querer passar o tempo com as telas será bem menor.

Vale lembrar que flexibilidade é a palavra-chave! À medida que a criança vai crescendo, a vontade de brincar online também cresce. As “regras” sempre devem ser revistas e refletidas pelos pais de tempos em tempos, e analisar se ainda é válida e efetiva para a criança.

Deixar que criança maiores que 2 anos de idade tenham contato com smartphones e tablets é quase inevitável nos dias de hoje e, por isso, proibir não é a solução: a criança vai querer mais ainda.

Equilíbrio sempre é bem-vindo: sugerir, participar e priorizar brincadeiras sem telas e offline, mas não proibir o uso total das telas.

Na prática

Marianna Nolasco, de 33 anos, é mãe da Laila, de 8. A Laila ganhou o iPad antigo dos pais aos 2 anos de idade. Naquela época, Marianna não sentia necessidade de limitar o tempo de uso das telas, já que Laila se dividia bastante entre brincadeiras, iPad e os bichinhos de estimação. O iPad tinha bastante aplicativos de jogos e vídeos educativos.

Hoje, Laila herdou o celular antigo da mãe, mas não usa por ser ultrapassado. Ela prefere utilizar o celular dos pais para jogar, apesar de ter um iPad só pra ela. Seu jogo preferido é Minecraft. Marianna conta que os últimos meses têm sido uma briga, já que Laila quer passar a maioria de seu tempo livre no jogo.

Por causa disso, Marianna limitou o tempo de uso: agora, Laila pode usar no máximo duas horas por dia (uma de manhã e uma de noite). Além de Minecraft, Laila gosta bastante de jogar Love Balls junto com a mãe, que virou um passatempo das duas.

:: Confira também: Como encontrar o equilíbrio com tela na vida das crianças ::

Riscos

Segundo a Sociedade Canadense de Pediatria, a exposição a telas (qualquer tipo: televisão, computador, celulares, tablets) afeta negativamente crianças menores de cinco anos na linguagem, atenção, desenvolvimento cognitivo, execução de tarefas, memória a curto prazo, leitura e matemática. Em relação às crianças menores de 2 anos, foi percebido dificuldade em diferenciar o que é realidade e o que acontece nas telas.

Além disso, crianças expostas em excesso às telas, ou seja, mais de duas horas por dia, apresentam comportamentos agressivos e antissociais, geralmente porque os pais estão mais inclinados a utilizar as tecnologias como “chupeta” para crianças com comportamento “desafiador”.

Saúde física

Quando se trata de saúde física, crianças que ficam bastante tempo na frente das telas rotineiramente têm um risco maior de sedentarismo e sobrepeso. Quando aplicativos não têm controle parental, as crianças estão expostas à propagandas de fast food, por exemplo, que encorajam a comer “lanchinhos” fora de hora e incentivam esse padrão de alimentação, além de passarem mais tempo sentadas ou deitadas expostas às telas quando poderiam estar praticando atividades que demandam um mínimo de exercício físico.

Esse tipo de propaganda atinge geralmente crianças de 2 a 6 anos. Problemas de sono também estão associados à exposição das telas: utilizar aparelhos com telas brilhantes — que contém luz azul — antes de dormir causam supressão de melatonina, o hormônio do sono. Para mitigar esse problema muitos aparelhos e apps contam com a ferramenta de controle de luz azul, que diminui o brilho da tela do aparelho e minimiza os efeitos da insônia.

Benefícios

Os benefícios potenciais no desenvolvimento de crianças acontecem a partir dos dois anos de idade, quando é exposta a um conteúdo, linguagem, tempo e design apropriados para essa fase. Programas e apps de qualidade promovem aspectos positivos no desenvolvimento cognitivo, imaginação, linguagem (aprendendo novas palavras) e ajudam na alfabetização.

Vale lembrar que os benefícios só se dão quando a exposição à telas é feita de maneira responsável, acompanhado e sem substituir o afeto e a presença dos pais e familiares.

Em relação à saúde física, é muito difícil dizer que o uso de telas é benéfico para crianças. Apenas se crianças utilizarem apps relacionados a alguma atividade física, como yoga ou dança, em que os usuários precisam se movimentar, terão algum benefício.

Este benefício pode ser encontrado também em jogos como Just Dance do Nintendo Wii, e o Labo, um acessório de papelão para o Nintendo Switch que permite que o usuário monte ferramentas para interagir com os jogos, como armaduras, por exemplo.

Aplicativos com alguma interatividade, em que as crianças consigam sair na postura do celular na altura da barriga e a cabeça pra baixo, e ajeitar a postura e se mexer, também podem ter algum benefício em relação aos que não contêm interatividade alguma.

Recomendações

Para minimizar os efeitos negativos, a Sociedade Canadense de Pediatria sugere que as crianças sempre estejam acompanhadas dos pais ou de outro familiar neste tipo de atividade.

Priorizar aplicativos educacionais e que a criança utilize a criatividade e tenha interatividade, respeitar a classificação indicativa e evitar conteúdos com propaganda também são sugestões importantes.

Escolher junto com a criança o que vai ser visto também é efetivo (“vamos assistir isto, neste momento por este motivo”). Limitar o uso de smartphones em espaços públicos, durante rotinas familiares e durante as refeições é um bom hábito para aumentar e incentivar a interação com familiares amigos, e fazer com que a criança consiga distinguir desde cedo o que é e o que não é realidade.

Conteúdo

Quanto à escolha do que consumir, o recomendável é escolher pelos conteúdos de qualidade e que não exponha a criança à propagandas e anúncios. Caso haja exposição, ajude a criança a reconhecer e questionar propagandas, estereótipos ou outros conteúdos.

Em relação aos conteúdos, preste atenção em alguns itens como imagem corporal, violência, problemas sociais, diversidade e gênero.

Por causa da qualidade do sono, é recomendável que a criança não tenha nenhum tipo de aparelho eletrônico no quarto e evite utilizar aparelhos com tela por pelo menos uma hora antes de dormir.

Vale lembrar

Uso de telas por crianças com menos de 2 anos não é recomendado. Crianças entre 2 e 5 anos é recomendado o uso de no máximo uma hora por dia e não deve fazer parte da rotina das crianças.

Os pais também devem se policiar ao uso de celulares. Crianças seguem exemplos, e se os pais passam muito tempo atrás das telas, as crianças também vão querer. Aproveitar os momentos em família e respeitar a hora das refeições sem o uso de telas é fundamental para que a criança tenha bons hábitos em relação à todas as tecnologias.

Referências: Canadian Paediatric Society MindMiners Clinical Report—The Impact of Social Media on Children, Adolescents, and Families