fbpx

Jogos Inclusivos: como incluir todas as crianças nas brincadeiras

Quando uma criança está brincando ou participando de algum jogo, além de estar se divertindo e praticando a empatia, ela também está aprendendo. Essas atividades auxiliam no desenvolvimento de habilidades, aumentam a percepção sobre o universo ao seu redor e estimulam muito a criatividade. Brincadeiras e jogos podem ser grandes aliados na inclusão de crianças com deficiência na escola e na sociedade em geral. Saiba mais sobre brincadeiras e jogos inclusivos neste artigo.

Raimundo A. Dinello é doutor em Psicologia com especialização em Orientação Educacional e ex-professor de Sociologia da Educação na Universidade Livre de Bruxelas. Ele afirma que “os jogos têm um papel no desenvolvimento psicomotor e no processo de aprendizado de domínio do social da criança. Através dos jogos é possível exercitar os processos mentais e o desenvolvimento da linguagem e hábitos sociais”. 

Todos esses benefícios que podem também estimular a inclusão, tanto na sala de aula quanto em outros ambientes. Crianças com deficiência podem, por meio de jogos, exercitarem a sua autonomia e se divertirem ao mesmo tempo que aprendem. 

As crianças que possuem deficiências de origem motora, cognitiva, visual, auditiva, de fala ou de linguagem, ao brincarem e jogarem algum tipo de jogo, estarão superando desafios extremamente relevantes para o desenvolvimento, que também influenciam na saúde mental das mesmas. 

Jogos inclusivos promovem mais interação entre as crianças 

O Guia do Brincar Inclusivo, desenvolvido pelo Projeto Incluir Brincando da Unicef escrito por Meire Cavalcante, que é mestra e doutoranda em Educação e Inclusão pela Unicamp, aponta que “as pessoas não são iguais – e é isso que torna o mundo tão rico. Iguais, na verdade, devem ser as oportunidades de sobreviver e de se desenvolver, aprender, crescer sem violência e brincar (…). Ao planejar atividades, brincadeiras e materiais pedagógicos, é preciso fazer a si mesmo uma pergunta-chave: o que vou oferecer permite que todos e todas brinquem juntos, independentemente das características de cada um?

Para promover brincadeiras e jogos que sejam inclusivos com todas as crianças, é necessário prestar atenção em alguns detalhes e, caso necessário, promover adaptações que farão toda diferença. 

Meire Cavalcante também escreveu para o site Nova Escola sobre o tema. “Crianças e jovens com deficiência mental geralmente têm dificuldade de se concentrar por muito tempo. Para prender a atenção delas, são recomendadas atividades dinâmicas e que envolvam muitas cores”. 

Exemplos de jogos inclusivos 

O Guia do Brincar Inclusivo apresenta uma série de jogos inclusivos e também explica sobre as adaptações que podem ser feitas para jogos que você já tem em casa. 

“Para tornar acessíveis os jogos, algumas adaptações simples e baratas podem resolver: criar alto relevo com barbante ou tinta plástica; usar materiais como velcro ou ímã; mudar as regras; criar cartelas e dados maiores para facilitar a leitura de quem tem baixa-visão; usar peças grandes e com alças para crianças com deficiência física; usar placas e legendas em braile; ou usar texturas e cores”.

Jogo da memória

O jogo da memória é um clássico da infância. Ele estimula a atenção, a concentração, além de treinar a memória das crianças e o raciocínio lógico. 

Para que um jogo da memória se torne inclusivo, bastam algumas adaptações simples. O contorno das peças do jogo podem ser marcados com tinta plástica, que ao secar ficarão com alto relevo. O alto relevo facilita na percepção e identificação das peças das crianças que têm alguma deficiência visual. Outra outra possibilidade é colar pequenos objetos nas peças como botões, purpurina, lixa, algodão ou lã. Esses objetos, por terem texturas diferentes.

A introdução de adaptações como essas, que acrescentam algum tipo de textura diferente em cima de alguma superfície de peças ou brinquedos, também são benéficas do ponto de vista psicomotor. Ao tocar essas texturas, crianças com deficiência estarão desenvolvendo habilidades motoras, cognitivas e sensoriais ao mesmo tempo. 

Jogo de dominó 

Para adaptar o dominó de uma maneira muito simples, basta colocar cola quente nas casas de cada peça. Isso vai fazer com que as peças fiquem com partes em alto relevo, o que facilita o manuseio e a percepção das peças para as crianças que têm deficiência visual. Nesse caso, as crianças que não têm deficiência visual podem usar vendas nos olhos, para aumentar a interação durante o jogo. 

Uno

O Uno é um jogo que foi criado nos anos 70 e desde então ganhou muitos adeptos no mundo inteiro. Estima-se que até hoje, já tenham sido vendidas 200 milhões de cópias. 

Uma das características marcantes do UNO é justamente as cores das cartas, já que as jogadas são feitas a partir da combinação de cores e números de suas cartas. 

No ano de 2017, o jogo ganhou uma versão voltada para daltônicos. Essa versão conta com cartas marcadas com o selo iconográfico do código de cores universal para daltônicos, ou ColorADD.

Os símbolos estão localizados próximo ao número de cada carta. Todas as cores, o vermelho, azul, e amarelo contam com símbolos diferentes, que quando estão juntos, formam uma nova cor. 

Na prática funciona assim: a junção do traço da carta amarela e o triângulo do azul, forma-se um símbolo criado a partir dessa aproximação, que também estão presentes nas cartas verdes. 

Além das cartas serem diferentes pelos símbolos que possuem, elas também podem ser recriadas por meio da junção de duas cartas. O ícone do verde sendo igual a uma junção dos ícones do amarelo e do azul, por exemplo, facilita para uma criança identificar qual cor é cada uma. 

:: Leia também: Empatia: o que é, como se manifesta e como reconhecer nas crianças ::

Todo mundo pode brincar!

O Guia do Brincar Inclusivo também elencou algumas dicas para que todos brinquem: 

  • Estimular as crianças a ajudarem quem tem mobilidade reduzida e outras dificuldades;
  • Usar bolas com guizos e objetos sonoros; Garantir piso plano para a circulação de cadeira de rodas no ambiente; 
  • Respeitar a criança com hipersensibilidade tátil ou visual (realizar as atividades no ritmo dela); 
  • Criar brinquedos que explorem figuras, cores, cheiros, texturas e sons; Perguntar sempre à família e ao profissional de saúde se há restrições no brincar; 
  • Ensinar às famílias as brincadeiras para que brinquem em casa com os filhos; Nos jogos com cartas, usar o segurador de cartas para crianças com deficiência física; Interferir quando alguém estiver excluído da brincadeira; 
  • Não permitir manifestações discriminatórias no grupo; 
  • Oferecer brincadeiras que quebram preconceitos em relação ao gênero; 
  • Privilegiar atividades que valorizem as capacidades (e não as dificuldades) de cada um. 

Jogos online inclusivos: 

O Laboratório de Objetos de Aprendizagem (LOA), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), desde 2012 desenvolve jogos para crianças com deficiência visual. 

Até o momento 5 jogos foram criados:

Dentro das regras e jogabilidade de cada um deles, é possível exercitar conceitos de matemática, português, química, música e noções sobre saúde. 

Filtros para jogos

A Nvidia Corporation, que é uma empresa de tecnologia com sede em Santa Clara –  Califórnia, nos EUA criou uma ferramenta de filtros em 2018 que podem ser incorporados a diversos jogos de computador. 

Para se ter acesso a essa ferramenta, é necessário fazer a instalação da versão mais recente do Game Ready Driver. Depois disso, o NVIDIA Freestyle permitirá que o usuário que estiver jogando a mudar a aparência do jogo escolhido, com ajustes em cores ou a aplicação de filtros de pós-processamento. 

Dentro dessas categorias de filtros está o modo modo daltônico, que faz com que os jogadores daltônicos possam identificar as cores com maior facilidade. 

Texto por Débora Nazário

NOTA DA EDITORA

A tecnologia vem se tornado cada vez mais aliada à inclusão digital. Assistentes de voz, hashtags como #pracegover e outras medidas abraçam mais pessoas. Algumas medidas são mais complexas e pedem programas e tecnologias mais sofisticadas, mas muitas coisas simples podem ser levadas em consideração na criação de conteúdos inclusivos.

Podemos citar alguns facilitadores em jogos e aplicativos para crianças que os tornam mais inclusivos:

  • Conteúdos com acompanhamento de texto escrito;
  • Audiobooks;
  • Voice-over acompanhando as atividades;
  • e uso de formas para auxiliar pessoas com daltonismo

Mas a inclusão vai além do físico. O aplicativo Domlexia reúne jogos que auxiliam na alfabetização de crianças com dislexia. Os jogos lúdicos e interativos somados com os exercícios fonológicos ajudam as crianças com dislexia a desenvolverem o necessário para o aprendizado das letras e fonemas, auxiliando na alfabetização.

Outro aplicativo que tem aspectos inclusivos é o Truth and Tales. Toda a experiência do Truth and Tales é narrada, dessa forma, crianças que ainda não são alfabetizadas também podem utilizar o aplicativo sem perder a experiência. O aplicativo conta com audiobooks, que são histórias somente por áudio, podendo ser utilizadas por pessoas com deficiência visual. Em alguns jogos dentro das histórias interativas são utilizadas cores para diferenciar uma coisa da outra, mas também usamos formas diferentes para que pessoas com daltonismo possam completar os desafios. 

E por último, O Truth and Tales oferece exercícios físicos para o retorno à homeostase, auxiliando pessoas – não só crianças – a ficarem mais calmas e voltarem para o equilíbrio do corpo e da mente. Os exercícios para o retorno à homeostase podem ajudar crianças com déficit de atenção, hiperatividade e ansiedade. Baixe e experimente!

Guia Fortnite: tudo o que os pais de crianças precisam saber sobre o jogo

Muitos pais já devem ter ouvido o nome do jogo Fortnite comentado pelos filhos ou outras crianças, assim como Among Us e Roblox. O Fortnite foi criado em 2011 e tem aumentado cada vez mais o seu número de jogadores. 

Em agosto deste ano a produtora do jogo, Epic Games, afirmou que alcançou o número de mais de 500 milhões de contas de usuários, enquanto no ano passado esse número era de 350 milhões. 

O que é o Fortnite? 

O Fortnite é um jogo online multiplayer (que permite que vários jogadores joguem ao mesmo tempo uma partida) do gênero battle royale, ou seja, que reúne um grupo grande de jogadores que ficam no mesmo local buscando equipamentos como armas, madeiras e ferramentas de construção. Do grupo inicial, apenas um jogador ou equipe sobrevive, ganhando o jogo.

É por esse motivo que quem joga Fortnite fica muito concentrado e bastante tenso durante a partida, pois não é possível pausar.  Além dessa narrativa no Fortnite, é possível explorar e descobrir elementos do mapa do jogo e, em paralelo a isso, derrotar os inimigos. De forma simplificada, podemos dizer que o último vence, ou seja, aquele que sobreviveu a todas as batalhas e conseguiu escapar dos outros jogadores.  

Qual o objetivo do jogo?

O maior objetivo dentro do jogo é vencer os demais jogadores em combates. Para isso, os usuários podem jogar no modo solo, em dupla ou em equipes de no máximo quatro participantes.
Leva vantagem nos confrontos aqueles que melhor explorarem o mapa, conquistando recursos, adquirindo itens ou construindo edificações. Conhecer o mapa é extremamente importante já que assim os jogadores ficam atentos aos momentos de combates. 

O Fortnite é gratuito? 

O jogo é gratuito e tem versões para PC, PS4, Xbox One, Nintendo Switch, iOS e Android. Para baixar o jogo no computador é necessário acessar a página principal do Fortnite, selecionar a opção jogue de graça agora e depois selecionar PC/Mac.

O próximo passo é a criação de uma conta na Epic Games, que é a plataforma que abriga o jogo, como se fosse uma loja de jogos. Alguns dados serão solicitados, como o país, nome completo, nome de usuário, e-mail e senha. O jogo também oferece a possibilidade de criar um usuário com os logins do Facebook ou Gmail. Após esse preenchimento de dados, o usuário deve escolher a pasta de destino que o jogo será salvo no computador. 

Iniciando um jogo no Fortnite

Finalizado o processo de instalação no computador e criação de usuário e senha, é hora de começar a jogar. Para isso, é necessário selecionar o modo battle royale que aparece na tela inicial. 

Modo do jogo: 

Depois de selecionar o personagem e a skin (traje do personagem), há opções de como o usuário pode jogar Fortnite: solo, duos e squads. Dentro dessas possibilidades, o jogador poderá escolher se deseja jogar sozinho, em duplas ou em equipes. 

O jogo começa assim que esses passos forem finalizados. O jogador inicia a partida dentro de um balão voador ou ônibus voador, no céu, e em seguida caem de paraquedas no cenário do jogo. 

Pontos que merecem a atenção dos pais    

Monetização dentro do Fortnite

Sabemos que os jogos e aplicativos têm algumas formas de monetização, ou seja, de ganhar dinheiro, como já explicamos neste artigo. O Fortnite é grátis para baixar e jogar, e não tem anúncios. Então como o jogo ganha dinheiro? Através de compras dentro do jogo. O Fortnite vende alguns itens para usar dentro do game.

Na loja de itens dentro do Fortnite é possível comprar skins (roupas dos personagens), armas e acessórios para customizar o seu personagem e até melhorar sua performance nas partidas. A moeda do jogo é a V-Bucks. Um total de 1.000 V-Bucks custa R$25,00; 2.800 V-Bucks saem por R$62,50 e assim por diante. 

Além dos itens já citados, loot boxes também podem ser compradas na loja. As loot boxes são caixas com itens aleatórios para customizar o personagem. Esses itens são vendidos separadamente nas lojas, mas os usuários são atraídos pelas loot boxes sabendo da possibilidade de encontrar itens raros. As loot boxes têm as mesmas mecânicas de cassinos e podem ser prejudiciais às crianças, como explicamos neste artigo

Nos Estados Unidos, as compras dentro do Fortnite se tornaram um problema para muitas crianças, que sofreram bullying por terem seus personagens default, que significa “padrão”, em inglês. Ou seja, quem jogava com o personagem igual ao que o jogo entregava, sem personalizá-lo com os itens vendidos na loja, era chamado pejorativamente de default.

Essa pressão para personalizar os personagens gera uma falsa necessidade de consumo entre as crianças, até mesmo para se proteger do bullying na escola e dentro do jogo. Ou seja, nem mesmo em casa as crianças estavam seguras e protegidas, já que eram atacadas online através do chat do Fortnite. O consumismo incentivado pelo jogo é uma das principais preocupações em relação às crianças.

Classificação indicativa: 

Como já mencionamos, o jogador que resistir até o fim da partida é o ganhador. Para tanto, além de pensar em estratégias de defesa, é necessário atirar nos inimigos para que eles sejam atacados, o que implicará em cenas de violência.

Apesar dos tiros e de jogadores “morrendo”, não é muito realista. O gráfico do jogo não mostra sangue e quando um jogador morre são os itens que ele guardava que aparecem na tela, e o outro jogador pode coletar esses itens. 

A classificação indicativa do jogo no Brasil sugere que as partidas sejam jogadas por maiores de 12 anos de idade. Já nos Estados Unidos, a indicação é de 13 anos, que é a mesma indicada pela empresa que criou o jogo, a Epic Games. 

Chat aberto durante o jogo: 

Assim como no Among Us, o Fortnite conta com um chat durante o jogo, onde é possível que os jogadores conversem durante as partidas. Nesse caso, no entanto, é possível silenciar o chat da seguinte maneira: 

Selecione o ícone menu e depois configurações. Dentro desse ambiente você encontrará a página de áudio. Para desativar, basta ligar/desligar o bate-papo de voz e gerenciar notificações. Mas é importante ressaltar que isso vai influenciar na habilidade de jogar. 

A dica mais importante tanto para o Fortnite quanto para outros jogos é o diálogo constante com as crianças. Essa comunicação gera confiança nos pequenos e os farão conversar a respeito sobre qualquer situação que considerarem fora do comum dentro do jogo.

Texto: Débora Nazário

NOTA DA EDITORA

Não podemos dizer que Fortnite é um jogo livre de violência, porque existe. São armas, tiros e ganha o jogo quem sobrevive. Por isso, reiteramos a necessidade de diálogo entre pais e filhos em relação ao jogo. Interessar-se pelo o que as crianças gostam e até tentar jogar com os pequenos cria uma proximidade e os deixam confortáveis para procurar pelo adulto caso sintam necessidade. 

Chat e violência

É importante sempre estar atento ao chat caso não tenha silenciado, mesmo que a criança não indique sinais. Perguntar sobre o que conversam e combinar com a criança de checar vez ou outra é importante para protegê-las de pessoas mal intencionadas.

Conversar sobre o que a criança acha daquela violência também é válido, já que o jogo tenta deixar essa questão mais fantasiosa. Muitas crianças nem percebem a violência e não tratam aquilo como violência. 

Consumismo e Bullying

Mas a violência não é o ponto mais frágil do jogo. A monetização, ou seja, a forma como o Fortnite faz dinheiro, é onde os pais devem ter um alerta amarelo sempre ligado. Por isso, nosso posicionamento em relação ao Fortnite é que crianças menores de 10 anos não joguem o jogo porque ainda não entendem como a monetização funciona, que cada item custa realmente dinheiro de verdade. Elas ainda não estão preparadas para esse tipo de modelo de jogo. Para as crianças maiores, conversar sobre isso e estipular um limite e combinados é primordial. Esses combinados vão da realidade de cada família, mas é importante que tenham claro que cada item comprado vale dinheiro.

É importante também conversar como isso afeta a vida social das crianças. Vimos que muitos sofrem bullying na escola por terem o boneco “padrão” no jogo. Fique de olho, conversem sobre isso e fique de olho como seus filhos ficam antes e após jogar Fortnite. Muitas crianças ficam ansiosas e só jogam porque “precisam” estar nesse ambiente, já que todos também estão.

Pontos positivos

Apesar disso, não há como negar que Fortnite ajuda a desenvolver algumas habilidades. Jogos de tiro em geral trabalham bastante a visão espacial, já que geralmente a câmera é em primeira pessoa e é necessário prestar muita atenção em todos os elementos em sua volta para atirar e se esconder. A agilidade também é muito trabalhada, assim como a atenção focal e a atenção global, já que é necessário focar num alvo ao mesmo tempo em que precisa buscar um lugar protegido. 

Podemos citar ainda o plus que o próprio Fortnite premia: construções. No jogo, o usuário pode coletar madeira, pedras, cordas e ferramentas para construir fortes, esconderijos para auxiliá-lo no jogo, e o jogador é beneficiado por cada construção. Assim como Minecraft e Roblox, esse tipo de jogo onde as crianças podem construir é muito benéfico tanto para o desenvolvimento da visão espacial quanto para a criatividade. Falamos mais sobre a visão espacial em jogos aqui

GUIA DE DISCORD PARA PAIS: como manter seus filhos seguros

Se seus filhos estão começando a jogar no computador, pode ser que daqui a pouco você vai começar a ouvir sobre o Discord. Separamos algumas informações importantes sobre o Discord pra você saber o que as crianças usam para jogar online. 

O Discord é um aplicativo de bate-papo. É bastante popular dentro da comunidade gamer, mas vêm ganhando espaço em outros nichos, já que muitas empresas e escolas adotaram o programa para home office e homeschooling. O Discord permite que os usuários se comuniquem por de texto, voz e/ou vídeo, através de conversas privadas, grupos ou canais. 

O aplicativo se tornou popular entre a comunidade gamer por ser uma boa opção de ponto de encontro, onde é possível jogar online ao mesmo tempo em que todos possam conversar juntos numa sala do Discord. Além de ter o streaming, que é quando uma pessoa transmite ao vivo a tela do seu computador para que outras pessoas possam ver o seu jogo. Outro ponto forte são as comunidades que se formaram. Existem servidores de diversos temas onde os usuários comentam sobre novidades, tiram dúvidas, dão dicas e até combinam de jogarem juntos. 

Como o Discord funciona

Para entender melhor como funciona, vamos primeiro passar pela estrutura. Se seus filhos usam a Discord, é importante saber desses detalhes.

  • Servidor: Os servidores são os espaços no Discord. São como se fossem cidades de um país. Eles são feitos por comunidades específicas ou grupos de amigos. Segundo o Discord, a grande maioria dos servidores é pequena e apenas para convidados, ou seja, são fechadas e precisam de autorização para fazer parte. Alguns servidores são públicos. Qualquer usuário pode criar um novo servidor gratuitamente e convidar seus amigos para fazer parte.
  • Canal: Os servidores são organizados por canais de texto e voz. Muitos servidores organizam os canais por tópicos específicos e podem ter regras diferentes. Nos canais de texto, os usuários podem postar mensagens, fazer upload de arquivos e compartilhar mensagens com outros usuários. Nos canais de voz, os usuários podem se conectar por meio de chamadas de voz ou vídeo em tempo real, além de poder compartilhar sua tela com os amigos. Também é possível mandar mensagens privadas para outros usuários e criar grupos de mensagem privados com até 10 participantes, onde o acesso é apenas por meio de convite. Também é possível criar canais privados com poucos usuários, onde apenas os participantes daquele canal podem visualizar as mensagens.

Discord é para criança?

De acordo com os Termos de Serviço, o Discord exige que as pessoas tenham no mínimo 13 anos para acessar o app ou site. Isso é feito através de uma confirmação da data de nascimento durante a criação de conta para acessar a Discord. Se o usuário tiver menos de 13 anos, a conta é bloqueada. Claro que muitas crianças sabem disso e colocam outra data de nascimento para que consigam criar a conta, assim como fazem em tantos outros sites e apps.

O Discord toma alguns cuidados para tornar a experiência dos seus usuários mais segura, sendo eles maiores de idade ou não:

  • Como já informamos, a maioria dos grupos do Disord são privados e apenas convidados podem entrar. 
  • Todas as conversas são opcionais, ou seja, cada usuário escolhe quem pode adicioná-los como amigo, quem pode enviá-lo mensagens e que tipo de conteúdo pode receber. 
  • O Discord não compartilha informações pessoais, incluindo informações de contato e conversas privadas. O app não pede um nome real no cadastro e não vende os dados dos usuários para anunciantes. 

Se o seu filho é menor de 13 anos e já usa o Discord, esteja ciente de que isso não está de acordo com as regras da plataforma. Talvez vocês possam chegar a um acordo de migrar para outra plataforma onde crianças sejam permitidas, mas sabemos que essa pode ser uma tarefa desafiadora. Se não tiver jeito e você não quiser proibir seu filho de jogar com os amigos através do Discord, é necessário ter mais atenção em alguns pontos. 

:: Leia também: ROBLOX: Como manter as crianças seguras no jogo ::

Configure para aumentar a segurança

O Discord não tem um controle parental, mas existem algumas configurações que podem deixar seus filhos mais seguros dentro do Discord. Para isso, abra o Discord e procure pelas Configurações de Usuários no menu, que tem o ícone de engrenagem, e depois clique em Privacidade e Segurança. Lá tem várias opções para ativar e/ou desativar. Aqui vão algumas dicas:

  • Mensagem Direta e Segura: Para menores de 18 anos, é indicado que a opção ativa seja Mantenha-me em segurança, onde é possível analisar as mensagens diretas de todos. 
  • Quem pode iniciar uma amizade com você: Aqui é indicado que esteja selecionada apenas a opção Amigos de amigos, para ter um maior controle de quem pode adicionar seus filhos, mas não podar totalmente o círculo de amizades. Se você preferir que apenas os membros do servidor possam adicioná-lo, também é possível, mas lembre-se: existem servidores de jogos em que há muitas pessoas. Você ainda pode escolher não selecionar nenhuma das opções. Dessa forma, seu filho estará fechado a receber qualquer solicitação de amizade, mas ele ainda poderá enviar solicitações para outras pessoas.
  • Bloquear outros usuários: caso tenha alguém incomodando seus filhos, é possível bloquear essa pessoa. O bloqueio de usuários impede que eles enviem mensagem para você e os remove da lista de amigos, além de ocultar as mensagens dessa pessoa em qualquer servidor compartilhado. Para fazer isso, basta clicar no @nomedousuário com o botão direito e selecionar Bloquear.

Como fazer uma denúncia no Discord

Se você ou os seus filhos viram alguma mensagem de ódio, ameaças, ou qualquer ato que vai contra as regras do Discord, é possível denunciar. Para isso, é necessário copiar o link da mensagem. Você consegue esse link clicando na mensagem com o botão direito do mouse. Escolha a  opção “copiar link da mensagem” e cole a mensagem por DM (Direct Message, quando manda uma mensagem diretamente para a Discord) ou pelo servidor da Discord, ambos dentro da plataforma. 

Também é possível enviar um e-mail através de um formulário contando o ocorrido. Aqui, na opção What we can help you?, escolha a opção Trust & Safety. Indicamos anexar prints (capturas de tela) da conversa e guardar os links da mensagem. Também é necessário que a mensagem seja escrita em inglês.

Texto: Luisa Scherer

NOTA DA EDITORA

O Discord foi feito para pessoas acima de 13 anos. Nessa idade, os adolescentes já têm mais maturidade para lidar com alguns assuntos como bullying, já notam com mais facilidade quando podem estar sendo enganados e têm mais noção de que qualquer pessoa pode estar do outro lado da tela. Crianças menores de 13 anos ainda não têm as habilidades necessárias para perceber alguns alertas neste meio. 

Apesar disso, o Discord é uma ótima plataforma para jogar online com os amigos, e sabemos que é uma das preferidas entre as crianças e jovens. Se seus filhos são menores de 13 anos e usam, cabe a cada pai permitir que continuem usando ou que tirem seus filhos do Discord. 

Acreditamos que é possível manter as crianças na plataforma, mas com olhos mais atentos. Para isso, certifique-se de que seus filhos conheçam na vida real todos os amigos do Discord ou tenha certeza de que são todos da mesma faixa-etária. Também é válido perguntar para seus filhos se podem marcar um dia de conversar com os pais desses amigos virtuais, para ter certeza de que são, de fato, da mesma faixa etária e alinhar algumas coisas com os pais “do lado de lá”. 

Caso seus filhos tiverem menos de 13 anos, sugerimos que não usem fones de ouvido quando estiverem no Discord. Dessa forma, é mais fácil para vocês cuidarem e perceberem o que está sendo dito nas salas e servidores que eles participam.

Mantenha um diálogo recorrente sobre os jogos e as experiências das crianças no Discord. Converse com eles, se interesse pelo o que jogam. Isso facilita caso seus filhos precisem da sua ajuda. E sempre fale sobre alguns cuidados que eles devem tomar, como não aceitar solicitações de amizade de quem não conhecem, de pedir a sua ajuda quando se depararem com algo incomum e este tipo de coisa.

Lembre-se que seus filhos e os amigos também podem criar servidores. Recomendamos esta leitura para criar um servidor seguro.

ROBLOX: Como manter as crianças seguras no jogo

Roblox é uma plataforma virtual que disponibiliza aos usuários uma série de possibilidades, como a criação de novos jogos e até jogar as produções de outros usuários

Segundo um relatório publicado pela Roblox Corporation em agosto deste ano, a plataforma chegou à marca de 48 milhões de jogadores ativos diariamente. O número é expressivo não apenas em quantidade de jogadores, mas também nas horas em que os usuários se conectam à plataforma: mais de 4 bilhões de horas foram jogadas no período analisado. 

Esse universo de possibilidades tem atraído muitas crianças e também a atenção dos pais. Nós já escrevemos um guia completo para pais e mães sobre alguns pontos de atenção que é necessário ter quando as crianças jogam Roblox. 

Neste artigo vamos falar de como tornar a experiência das crianças mais segura e entender um pouco mais como funciona a plataforma.

Como é feito o controle parental no Roblox 

O Roblox oferece algumas possibilidades de controle parental, como limitar as funções do chat, restrições de conta (para que o usuário acesse apenas conteúdo com curadoria de Roblox) e visibilidade de idade, que determina as configurações para crianças. 

Ativar as restrições de conta:

Clique na opção segurança (ou security), dentro de configurações (ou settings). Ao lado de restrição de conta (account restriction), mude a posição do botão para ativar a restrição. Ele ficará verde e aparecerá a seguinte mensagem na tela: “As restrições de conta estão ativadas” (ou account restrictions is currently enabled). Isso significa que você habilitou as restrições de conta.

Ao fazer isso, nenhum outro usuário poderá enviar mensagens, no aplicativo do Roblox ou no jogo, além de impossibilitar que a conta seja encontrada pelo número de telefone. Todas essas configurações podem ser ajustadas de forma individual, assim que as restrições forem ativadas. 

Bloquear usuários: 

Para bloquear usuários é muito simples: basta acessar o perfil do usuário que deseja bloquear, selecionar os três pontos no canto superior direito onde aparece o nome de usuário e informações de amigos. Um menu de opções aparecerá na tela e entre elas a opção bloquear usuário (ou block user). Ao selecioná-la, você bloqueia o usuário.

Como bloquear usuários dentro de um jogo: 

Também existe a opção de bloquear usuários dentro dos jogos. Na lista no canto superior direito da tela do jogo aparece a lista de jogadores, selecione o perfil que deseja bloquear e um menu abrirá na tela. Depois disso, escolha a opção bloquear usuário (block user). É possível também denunciar abusos diretamente neste mesmo menu, em Denunciar abuso (report abuse). 

Denunciar abusos através do botão de Denunciar abuso (report abuse) se faz necessário quando o usuário usa linguagem inapropriada ou aborda os outros jogadores de forma ameaçadora ou intimidadora

Ative configurações por PIN: 

O Roblox oferece aos pais de crianças uma outra possibilidade de segurança: a criação de um PIN associado à conta de e-mail dos responsáveis para bloquear as configurações do usuário. Para ativá-lo, é necessário clicar na engrenagem na página inicial do Roblox e depois em configurações (settings)

Depois de ter feito isso, digite o e-mail do responsável e a senha da conta da criança nos campos correspondentes. Depois clique em adicionar email (add email). Será enviado um e-mail de confirmação para o endereço que foi preenchido. Após feito esse processo de confirmação, é necessário atualizar a página das configurações para ativar o PIN. Para isso clique em código da conta (account PIN). Ao ativar o PIN, todas as configurações feitas no futuro terão que ser ativadas depois de inserir a senha criada. Todas as configurações ficam bloqueadas pelo PIN. 

:: Leia também: GUIA DE DISCORD PARA PAIS: como manter seus filhos seguros ::

Como funciona o Roblox

Agora que você já sabe como manter seus filhos mais seguros no Roblox, Vamos te explicar como o jogo funciona, para que você possa conversar com as crianças e participar da vida delas online também.

Como é feita a criação de jogos dentro do Roblox?

Antes de tudo é necessário um cadastro na página principal do Roblox. Depois disso você já terá acesso ao seu perfil principal, onde poderá mudar as informações pessoais, enviar e também receber mensagens, alterar a foto do perfil e criar seus próprios jogos.  

Instale o Roblox Studio: 

Para começar a criar os jogos é preciso baixar o programa Roblox Studio. É esse programa que possibilita a criação de jogos com os modelos de mapa e objetos disponíveis, que depois poderão ser publicados no perfil criado dentro do Roblox.

Escolha do mapa: 

Depois que o Roblox Studio for baixado, no menu inicial de criação estão localizadas opções de mapas, onde é possível também escolher um mapa temático – theme, ou jogável – gameplay. Os jogadores iniciantes na plataforma poderão escolher a opção gameplay, já que todo o visual e regras do jogo já estão estabelecidos. Neste modo são sete modelos disponíveis: Racing, Obby, Line Runner, Infinite Runner, Capture The Flag, Team/FFA Arena e Combat. É permitido fazer algumas edições, como mudar objetos, alterar o cenário de dia para a noite e personalizar o avatar. Na aba lateral, localizada na parte esquerda da tela, estão os botões para criar um novo mapa, assim como visualizar os mapas já criados.

Como alterar elementos dentro do jogo:  

Depois de selecionar a opção de jogo, é possível trocar elementos dentro dele, como objetos e avatar, clicando em Caixa de Ferramentas (toolbox). Nessa fase é possível deixar o jogo no estilo que o jogador imaginou. Para tanto, o usuário deve habilitar a caixa de ferramentas que fica na parte esquerda da janela. Através dela é possível adicionar objetos e escolher onde posicioná-los. Se quiser alterar a superfície do próprio objeto ou acrescentar efeitos, basta clicar em Modelo (model).

Crie jogos com a base de terreno pronta: 

Na opção Temas (theme), o usuário poderá criar um jogo a partir de uma base já pronta, onde existem os temas disponíveis: Base (Baseplate), Terreno Plano (Flat Terrain), Vila (Village), Castelo (Castle), Subúrbio (Suburban) e Corrida (Racing). Ao selecionar essa opção, os elementos de cada terreno são preenchidos de forma automática de acordo com as características de cada um deles. Apesar disso, os elementos também podem ser alterados.

Faça um jogo do zero: 

Para quem já tem um conhecimento na criação de games, o Roblox Studio também oferece a opção de criar um jogo do zero. Para essa criação, o mapa que deve ser escolhido é o Base (baseplate), que é uma modalidade de mapa “em branco”. Depois de selecioná-lo, o usuário poderá escolher o terreno e, a partir dele, selecionar os objetos, personagens, efeitos visuais e sonoros e as regras do jogo. Desta forma também será possível criar mecânicas de funcionamento do jogo com programação, especialmente de HTML. Existe uma aba chamada plugins, que disponibiliza um sistema para aqueles que conhecem programação, possibilitando dessa forma uma criação mais autônoma. 

Crianças que já tiveram ou têm aulas de programação e coding podem se beneficiar bastante deste modo do Roblox. 

Teste o jogo criado: 

Testar o jogo criado no Roblox Studio é uma parte extremamente importante no processo de criação. Para isso, clique no topo da janela do Roblox Studio e abra a barra de ferramentas chamada testar e depois em play. Agora é possível caminhar com o personagem pelo mapa, observando de uma forma ampla o jogo. Para sair do modo jogador basta clicar em stop. Ao fazer isso, o usuário voltará ao modo de edição. 

Avalie a experiência dentro do jogo, busque erros: 

Objetos colocados em lugares não estratégicos, que podem impedir os movimentos dentro do jogo, são alguns dos erros frequentes. É por isso que testar o jogo é extremamente importante, já que só dessa forma esses erros poderão ser corrigidos. 

Não esqueça de salvar o jogo: 

Depois dessas etapas chegou o momento de salvar o jogo e, assim como diversos outros tipos de trabalhos que realizamos utilizando programas, salvar uma cópia é essencial. Para isso, é preciso clicar em Arquivo (file) e depois em Salvar (save)

Publique o jogo criado: 

Agora que a cópia foi salva, chegou o momento de publicar o jogo. No menu superior, na aba Arquivo (file), o usuário deve clicar na opção Publicar no Roblox (publish to Roblox). A tela que aparecerá depois é aquela em que o gênero do jogo deverá ser escolhido, se ele será privado ou público, e outros detalhes como nome e os dispositivos em que ele vai estar disponível. Em seguida, basta clicar em Criar (create) para deixar o jogo online!

Texto: Débora Nazário

NOTA DA EDITORA

O Roblox é uma ferramenta incrível e pode ser muito benéfica para as crianças. Começando pelo fato de que é uma atividade ativa, onde a criança pode criar coisas novas ao invés de apenas consumir um conteúdo de forma passiva (um exemplo de forma passiva de consumir conteúdos é assistir a um vídeo, por exemplo). 

Com o Roblox, as crianças acessam jogos criados por outros usuários, o que acaba sendo um incentivo a criarem seus próprios jogos. O processo de criação de jogos envolve muito mais do que programação. É preciso pensar no objetivo do jogo, no formato, nos personagens, nas regras do jogo, em toda a parte visual e, claro, na parte técnica, que é a programação em si. Tudo isso precisa de organização e foco.

Através da construção de um jogo simples, as crianças desenvolvem muitas habilidades como planejamento, organização, habilidades narrativas, a habilidade de ver o projeto de uma forma mais global e logo partir para uma atividade onde é necessário foco em apenas um aspecto (chamamos isso de atenção global e atenção focal), além de muita criatividade.

Porém é uma plataforma onde várias pessoas têm acesso online e simultâneo, e existe um chat. Todos os jogos e plataformas que tem chat e tem crianças utilizando, uma luz amarela deve ser ligada. Isso porque pessoas mal intencionadas podem fazer contato com as crianças e tentar tirar proveito de alguma forma. 

Por isso, leia sobre Roblox (e todos os jogos e apps que seus filhos jogam), entenda como funciona e fique por dentro dos controles parentais para ativar o que for necessário para protegê-los dentro da plataforma.

Como os games e jogos eletrônicos ajudam no desenvolvimento da visão espacial

Visão espacial é um termo conhecido por aqueles que desenvolvem games e aplicativos ou mesmo entre profissionais da educação, mas pouco discutido por aqueles que não atuam nessas áreas. 

A visão espacial começa a ser desenvolvida desde quando somos bebês. Elizabeth Spelke é psicóloga e pesquisadora de estudos do desenvolvimento em Harvard, e estuda o desenvolvimento cognitivo das crianças desde 1980.  

Num artigo publicado em 2020 afirma que os bebês conseguem distinguir mudanças de ângulos e formas em desenhos. Através de gestos, os pequenos também aprendem a desenvolver senso de geometria. 

Conversamos com Vânia Cristina Pires Nogueira Valente para falar sobre como a visão espacial se manifesta e é aprimorada por meio de games.

Vânia Cristina Pires Nogueira Valente é vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia – Mestrado Profissional – FAAC/Unesp e livre docente em Representação Gráfica. Também é docente da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, e autora do livro Desenvolvimento da visão espacial por games digitais

O que é visão espacial? 

Segundo Vânia, visão espacial é uma série de capacidades. É uma habilidade que não é nata, ou seja, você não nasce com isso e desenvolve ao longo da vida.

“A visão espacial não é um dom, é algo que você desenvolve assim como você aprende a escrever ou a andar de bicicleta. A visão espacial é aprimorada e desenvolvida, e pode ser melhorada cada vez mais. Essa habilidade envolve imaginar objetos e coisas tridimensionais, e conceber alguma construção na sua cabeça.

“Por exemplo, o Waze é um mapa bidimensional, mas você consegue imaginar a estrada e a esquina que você vai virar. O processo de conseguir converter esse 2D em 3D significa que você tem a habilidade de visão espacial bem desenvolvida. Ou quando você imagina um dado e consegue imaginar esse dado virando: isso é a visão espacial trabalhando”. 

Como podemos desenvolver a visão espacial? 

A professora conta que é preciso desenvolver habilidades cognitivas antes de desenvolver a visão espacial. “É necessário ter rapidez de raciocínio, noção de distância, rapidez de resposta e reflexo. É por isso também que em esportes de contato, onde é necessário ter um objetivo para atingir e calcular o tempo para se livrar do adversário, como o futebol, existem várias habilidades que são desenvolvidas, e tudo isso ajuda a desenvolver a visão espacial”.

“São várias dessas habilidades juntas, como rapidez de raciocínio e reflexo, que os games também auxiliam nesse desenvolvimento, como por exemplo os jogos de tiros, onde o jogador tem que se desvencilhar de adversários e, para isso, é necessário ter rapidez de raciocínio.”

Vânia cita o jogo Overwatch em seu livro como exemplo de jogos de ação, que também estimulam as habilidades para o desenvolvimento da visão espacial. Jogos em que existe velocidade geralmente pede rapidez de resposta. Muitos deles também contém vários elementos na tela que o jogador precisa prestar atenção. Todos esses elementos desenvolvem habilidades que levam a aprimorar a visão espacial, segundo Vânia. 

“Eu gosto de alguns jogos mais específicos, como o Minecraft, onde você pode olhar objetos de diferentes pontos de vista. Você consegue navegar pelo espaço, pelo ambiente do jogo e você vê o mesmo objeto de várias posições: de cima, de frente e de lado. Isso faz com que o cérebro consiga montar objetos em 3D a partir destas visões. Indico o Minecraft para os meus alunos, para exercitar a habilidade de visão espacial deles”, explica. 

Uma visão espacial desenvolvida pode ser necessária para diversas profissões: 

Os benefícios do desenvolvimento da visão espacial propicia diversas habilidades necessárias para várias profissões, segundo Vânia.

“No meu caso, como dou aula para cursos de engenharia, design, de desenho técnico, os alunos precisam desenhar os objetos, projeções, plantas, desenhos vistos de cima e de frente e, para isso, eles precisam ter a habilidade espacial muito bem desenvolvida”. 

“Eu notava nas minhas aulas que os alunos que jogavam games ou praticavam esportes de ação e contato, como futebol, tinham mais facilidade que outros. Profissionalmente é muito importante ter a visão espacial desenvolvida, e para a vida pessoal também.”

Vânia comenta que a visão espacial também é extremamente importante no ato de dirigir já que, para conduzir o veículo, o motorista deve ter atenção em diversos pontos, assim como calcular o espaço, velocidade etc. 

Débora Nazário

Nota da editora

Agora que já vimos que muitos jogos eletrônicos ajudam no desenvolvimento da visão espacial, pode surgir a dúvida: mas e a questão das crianças e jogos violentos? Esse assunto é discutido abertamente desde que os videogames se consolidaram como um entretenimento entre os jovens, há pelo menos 20 anos. 

É claro que, quanto mais tarde apresentar jogos violentos para a criança, melhor. Mas jogar esse tipo de jogo no computador ou videogame não necessariamente torna a criança violenta. A mudança comportamental das crianças não tem apenas um motivo, o que também não exclui a possibilidade de jogos violentos serem um gatilho para comportamentos agressivos. Isso depende de quanto tempo essa criança joga por dia, se há um diálogo entre ela e os pais, se irmãos ou irmãs mais velhas jogam esses jogos e até da personalidade da criança.

Opinião do especialistas

Até mesmo a opinião dos especialistas é dividida neste assunto. Há os que defendem que jogos eletrônicos influenciam sim no comportamento das crianças, e os que defendem que não é algo que tenha um único fator, e que há uma série de acontecimentos, e não um isolado, que podem levar a esse tipo de comportamento.

Até hoje é difícil achar um artigo que dê um veredicto sobre isso. Muito provavelmente porque há muitas questões envolvidas: participação dos pais na vida da criança, relacionamento dessa criança com seus responsáveis, questões socioeconômicas, de gênero, de personalidade, e por aí vai.

Um dos únicos consensos é em relação ao tempo de tela de acordo com a idade da criança. Várias Associações e Conselhos de Pediatria ao redor do mundo indicam nenhum tempo de tela para crianças menores de 2 anos. A partir dessa idade, começa com 30 minutos e vai aumentando ao longo da faixa etária. 

Outro consenso é em relação às crianças que se isolam nos jogos eletrônicos, que é um sinal de alerta. Crianças que costumam jogar no computador e videogame, mas que fazem outras atividades e hobbies, têm uma relação diferente com os eletrônicos das crianças que se isolam no computador e videogame. Se seus filhos se isolam, vale dar mais atenção a eles, oferecer outro tipo de atividade, fazer mais passeios, perguntar sobre seus amigos e etc, e ajudá-los no que for necessário.

Análise de Harvard

Uma análise de 2010 da Harvard Health Publishing, da Universidade de Harvard, traz artigos de especialistas de vários lados da moeda. Alguns artigos, mais recentes na época, argumentam que muitos estudos sobre a questão da violência na mídia dependem de medidas para avaliar a agressão que não se correlacionam com a violência do mundo real – e ainda mais importante, muitos trazem abordagens observacionais que não provam causa e efeito. 

Segundo esse documento, “Embora os adultos tendem a ver os videogames como isolantes e antissociais, outros estudos descobriram que a maioria dos jovens entrevistados descreveu os jogos como divertidos, emocionantes, algo para conter o tédio, algo para fazer com os amigos. Para muitos jovens, o conteúdo violento não é a atração principal.

“Os meninos, em particular, são motivados a jogar videogame para competir e vencer. Visto neste contexto, o uso de videogames violentos pode ser semelhante ao tipo de brincadeira violenta em que os meninos se envolvem como parte do desenvolvimento normal. Os videogames oferecem mais uma saída para a competição por status ou para estabelecer uma hierarquia.”

O que pode ser feito em casa

O nosso ponto é: não é o fim do mundo se seus filhos jogam jogos eletrônicos violentos. Se esse for o caso e você tem preocupações, faça o básico: 

  • Mostre interesse por aqui que seu filho tem interesse. 
  • Tente entender porque ele/a gosta tanto. 
  • Jogue com ele/a, converse sobre isso. 
  • Pesquise sobre o jogo e busque informações. 
  • Fique atento às mudanças de comportamento e pergunte para a criança o que ela pensa, ao invés de ter certeza de que sabe da resposta.
  • Incentive a praticar esportes
  • Lembre que é importante que crianças tenham um limite de tempo de telas! Se não tem isso na sua casa, veja se faz sentido para você e sua família. Falamos sobre isso aqui
  • Veja se seus filhos estão jogando jogos que estão de acordo com a faixa geracional deles.*

*Por exemplo: crianças de 7 anos jogando um jogo para 16 anos é, sem dúvidas, inapropriado. Se isso acontecer, pesquise outras opções parecidas e divertidas para oferecer para essa criança, em troca do primeiro. Por exemplo: se está jogando jogo de tiros, pesquise uma opção de jogo de paintball, onde a mecânica é a mesma, mas não há a mesma violência.

Por outro lado, é muito comum adolescentes de 13 ou 14 anos jogarem jogos com idade indicativa para 16 ou 18 anos. É o ideal? Não, mas proibir só causa mais revolta, neste caso. Para fazer essa avaliação, leve em consideração algumas particularidades dos seus filhos como maturidade, sensibilidade a alguns temas e converse com eles sobre os conteúdos que aparecem no jogo (armas, violência ou qualquer outro tema que você ache inapropriado para a idade. Nessa idade, o diálogo é melhor do que tirar o jogo da criança).

Posicionamento Truth and Tales: não recomendamos que crianças menores de 4 anos consumam conteúdos em telas

Jogo “Fato ou Opinião” ajuda crianças a identificarem fake news

As chamadas fake news, que são notícias que contém opiniões passadas como verdade ou informações falsas, são compartilhadas por muitas pessoas centenas de vezes, principalmente por meio das redes sociais. Esses dados e informações, por vezes, são interpretados por aqueles que as veem como um fato inquestionável. Diante dessa grande quantidade de notícias compartilhadas a todo minuto, como podemos identificar quais são verdadeiras e quais são falsas? Vamos te apresentar o jogo Fato ou Opinião, que é bem legal para ajudar as crianças identificarem as fake news!

Samantha Diegoli, diretora da escola Avalon, de Florianópolis, compartilhou um jogo simples e muito útil para as crianças desenvolverem as suas capacidades de observação e discernimento mental para identificar essas fake news, além de auxiliar no manejo emocional. Esse jogo é útil para os adultos também, já que as fake news chegam a todos nós.

No vídeo publicado no YouTube da Avalon, Sami fala do jogo: “nós ensinamos as crianças a não engolirem uma informação só porque alguém importante falou ou porque foi de algum site, ou da Wikipédia. Nós dizemos: vamos buscar as evidências. A é um fato e B é uma opinião. Vamos buscar o A atrás desse B”.

Ela explica também que o jogo é muito interessante para trabalhar a emoção. “Quando estamos falando de interpretações, normalmente o nosso estado emocional fica muito mais ativo. Inclusive, as discussões que temos, sejam no trabalho ou em casa, normalmente é uma opinião querendo convencer a outra pessoa de qual das duas é verdade, mas não é nenhuma das duas. Então envolve muito o emocional, ativa muito o emocional. Quando chegamos em um fato, o emocional acalma. Então nós usamos muito isso para inclusive para trabalhar o emocional”. 

Antes de ensinar sobre o jogo especificamente, vamos apresentar algumas definições. 

O que é um fato? 

O fato é algo que é possível visualizar e que as pessoas, junto comigo, conseguem ver a mesma coisa. Ou seja, um fato pode ser visto por todos de forma igual. 

Se eu descrever esse fato ou outra pessoa descrever o fato, teoricamente, se for um fato, a descrição vai ser a mesma. 

O que é uma opinião? 

A opinião é uma interpretação, ou seja, é uma descrição com um “toque pessoal”.

A opinião pode ser uma descrição, mas contém uma opinião pessoal em cima dela. A interpretação ou a opinião dá margem para que outra pessoa diga “Eu não estou de acordo”.

Exemplo: “Hoje está muito quente”. Essa informação é um fato ou interpretação/opinião? 

Se você pode responder “Eu não acho”, é uma interpretação. Então, “Hoje está muito quente” é uma interpretação pessoal, de como alguém está sentindo o dia. 

O que seria um fato se aplicado nesse contexto? 

O fato seria se hoje estivesse marcando 35ºC no termômetro. Dessa forma, podemos concluir que um fato é quando todos podem ver o mesmo. 

Qualquer pessoa que disser “eu não acho que está calor”, nós podemos ver a temperatura e notar o que é fato, que é a temperatura, que todos podem ver a mesma coisa. A descrição desta temperatura, ou seja, se está calor ou não está calor, é uma sensação e uma opinião pessoal, não um fato. As pessoas podem estar vendo a mesma temperatura no termômetro, mas uma pode estar com calor, e a outra, não.

Podemos dizer então que, diante de uma opinião, podemos discordar daquilo que foi dito. 

:: Leia também: Jogos e brincadeiras de criança: como é bom! ::

Vamos treinar “Fato ou Opinião”? 

Abaixo há algumas frases e você pode dizer se é um fato ou uma interpretação. 

Vamos imaginar juntos um tablado de madeira e uma gata em cima desse tablado. Em volta dela há algumas flores, árvores e um gramado. Essa imagem será útil para ilustrarmos os exemplos a seguir. 

Exemplo 1:

“Olha gente, que gata mais fofinha.” Fato ou opinião? 

A gatinha fofinha é uma opinião. Mesmo que muitos de nós tenham imaginado a gata fofinha, continua sendo várias opiniões. 

Lembre-se: várias opiniões iguais não transformam essa opinião em um fato, elas continuam sendo opiniões. 

Exemplo 2:

“Tem uma gata muito fofa aqui do meu lado.” Fato ou opinião?

Que a gata está do meu lado é fato. Se ela é muito fofa, como já vimos, é uma opinião. 

Exemplo 3:

“Olha só sente, a gata está curtindo a natureza e sentindo o cheiro das flores.” Fato ou opinião? 

A gatinha curtindo a natureza é totalmente uma opinião, pois não sabemos o que ela está fazendo ali, se ela viu um besouro ou algum outro animal. Então é uma opinião. 

Exemplo 4:

“Essa gatinha que se chama Lua subiu aqui em cima do meu tablado.” Fato ou opinião? 

Com essa frase nós podemos pensar: será que essa gata se chama Lua? Se vocês quiserem comprovar que é um fato, é necessário perguntar o nome dela a sua dona ou a alguém que a conheça. Mas sim, a gatinha se chama Lua, então é um fato. 

A segunda parte da frase: “Ela subiu aqui em cima do meu tablado”. Na verdade, parece muito um fato, mas ninguém sabe se ela subiu ou se alguém a colocou ali. Ela realmente subiu, é um fato, mas quem não viu ela subindo não vai saber como ela foi parar nesse local. 

Exemplo 5:

“A gatinha está deitada ali em cima do tablado de madeira.” Fato ou opinião? 

É um fato, já que todos podem ver que a gata está deitada sobre um tablado de madeira. 

Agora vamos para o jogo “Fato ou Opinião”

O jogo pode ser feito em família ou com várias pessoas, e a ideia é que possamos falar frases para o outro analisar e dizer se é um fato ou uma opinião. Ele pode ser praticado em casa ou quando se está no carro, já que ao redor estão acontecendo coisas que poderão ser usadas como elementos do jogo. 

Vão sendo ditas frases e a criança vai adivinhar ou deduzir se isso é um fato ou se é uma opinião. Um exemplo: “Olha, tem uma mulher de camiseta vermelha sentada naquele banco.” Fato ou opinião? Ou pode-se dizer também: “Olha, que mulher magrinha”, isso é fato ou opinião? E assim a brincadeira segue. 

No começo são indicadas frases mais simples. De início pode-se fazer cinco frases que sejam fatos e depois outras cinco frases que sejam opinião. 

Na medida em que pais e crianças vão ficando mais experientes no jogo, nós começamos a falar uma opinião como se fosse um fato para pegar o outro. Cada vez que acertamos ganhamos pontos e quando não acertamos o outro ganha pontos e nisso consiste o jogo. 

Exemplo no nível 1 do Fato ou Opinião:

Estamos andando de carro e vejo uma pessoa passando de bicicleta e digo: “Tem uma mulher andando de bicicleta aqui na rua.” Fato ou opinião? A resposta é um fato, porque não contém nenhuma opinião ou interpretação. 

E como seria um nível 2 do Fato ou Opinião

Exemplo: “Olhem, essa mulher está andando de bicicleta aqui na rua para emagrecer.” Fato ou opinião?

Nesse caso a criança tem que identificar que foi utilizado um fato, já que uma mulher está andando de bicicleta, mas depois disso foi inserida uma opinião. Ou seja, metade é fato e a outra metade é uma opinião e por isso esse é um nível mais avançado. 

Dica importante: existem algumas palavras ou expressões, que quando elas aparecem, podemos ter certeza de que não é um fato. Algumas dessas expressões são: sempre, nunca, tudo, nada, todo mundo, ninguém, tal coisa deveria ser. Sempre que existem essas palavras, podemos dizer que é uma opinião. 

Bom jogo e se divirtam!

:: Você também pode se interessar: O que é Desenvolvimento Cognitivo? ::

Débora Nazário

Guia Among Us: o que os pais de criança precisam saber sobre o jogo

Provavelmente pelo menos alguma vez durante os últimos meses você já deve ter se deparado com esse nome através de seus filhos, crianças ou amigos, mesmo que não tenha jogado ainda. Recentemente, a consultoria de mercado Sensor Tower publicou um levantamento que revelou que o jogo Among Us foi o mais baixado do mundo no mês de setembro, tanto em Android quanto iOS. 

Existem algumas explicações que podem esclarecer todo esse êxito. A pandemia do Covid-19 teve como uma das consequências o isolamento social em diversos países do mundo. 

Jogos online, nesse sentido, passaram a ser uma opção de entretenimento viável, já que sair de casa para encontrar familiares ou amigos não era o indicado pelos órgãos de saúde.

Mas não é só o uso frequente da internet e o isolamento social que colocaram o Among Us na posição em que o jogo se encontra hoje. São as suas funcionalidades, narrativa e possibilidades que também são atrativas, tanto para jogadores adultos quanto para as crianças. É por isso que vamos explicar um pouco mais sobre o jogo e suas funções. 

O que é o Among Us?

Among Us é um jogo que foi criado em 2018 pelo InnerSloth, um estúdio de jogos dos Estados Unidos. No seu lançamento, apenas a versão para celular foi disponibilizada (Android e iOS) e no final do mesmo ano a versão para PC foi desenvolvida pelos seus criadores. 

Qual é o objetivo do jogo? 

O objetivo do jogo é considerado simples e não é o primeiro a utilizar as premissas que se propõe. O Among Us é um jogo multiplayer, ou seja, você joga obrigatoriamente com outras pessoas, não existe a possibilidade de jogar sozinho. Os jogadores se reúnem em grupos para começar a partida, e em um grupo é necessário que tenham no mínimo 4 e no máximo 10 participantes.

Assim que abre o aplicativo, o jogador tem algumas opções: ele pode criar a sua própria sala e chamar amigos ou familiares para jogar, ou entrar em salas que já foram criadas antes.

Host: se o jogador quiser hospedar uma partida;

Pública: se ele quer jogar em qualquer sala pública; 

Privada: é necessário digitar um código fornecido pelo Host para acessar a partida. 

A partida acontece dentro de uma nave no espaço, onde existe um grupo de tripulantes que tenta sobreviver no espaço. No meio desse grupo há um “impostor”, que tem como objetivo eliminar os outros participantes. O impostor é escolhido de forma aleatória e, dependendo da configuração da partida, um jogo pode ter mais de um impostor.  

Há um custo para jogar Among Us?

Para jogar no celular é gratuito, basta baixar no smartphone. Já a versão Steam (para computador) custa R$ 10,89.

É possível também comprar “skins”, que é a aparência dos personagens. Os preços variam bastante e essa compra pode ser feita na loja que fica dentro do jogo. 

Devemos mencionar também que depois que acabam as partidas na versão gratuita anúncios aparecem na tela do usuário. Já na versão paga não existem anúncios.  

A interpretação de papéis: quem é quem no Among Us?

No Among Us existem dois grupos de personagens: os tripulantes e o impostor (ou os impostores). Cada personagem vai desempenhar uma função específica no jogo.

Impostor: o impostor deve matar os outros tripulantes da nave. Além disso, ele pode interferir em alguns locais da nave e, é claro, ele deve fugir das acusações de que é um impostor. 

Tripulante: o tripulante deve permanecer vivo até a partida terminar. Ele também deve cumprir algumas tarefas e pode acusar aquele ou aqueles participantes que acredita ser impostor

O papel desempenhado por cada personagem é secreto, apenas o próprio jogador sabe quem ele é no início do jogo. 

Assim que o impostor matar algum dos tripulantes, outro tripulante vai acabar encontrando o corpo. Depois disso, ele deve informar aos demais jogadores e dessa maneira começa uma reunião, que é feita através de um chat, localizado no canto superior direito da tela. 

Esse momento é onde os tripulantes irão acusar quem eles acreditam ser o impostor. Depois, cada um pode votar naquele personagem que ele acha que é o culpado. É possível também pular a votação. 

O que acontece depois da votação? 

Quando um jogador recebe a maioria dos votos, ele é expulso do jogo. Caso seja um tripulante, ele vai se tornar um fantasma. Se o jogador expulso for mesmo o impostor, os tripulantes serão os ganhadores da partida

Há também outra maneira de vencer o jogo. Os tripulantes, caso cumpram todas as suas missões antes da maioria ter morrido, vencem o jogo.

Quais os elementos que merecem a atenção dos pais?

Classificação indicativa:

O jogo Among Us não é um jogo infantil e não foi criado para atingir especificamente esse público. A classificação indicativa recomendada na App Store é para crianças acima dos 9 anos de idade, na Google Play é para maiores de 12 anos e no Steam (plataforma onde o jogo é baixado para a versão PC) a classificação indicativa é Livre.

Palavrões no chat:

Dentro do jogo, nas configurações, existe a opção: “censurar bate-papo”. Quando ela estiver ativa, os palavrões que aparecerem no chat serão censurados. Essa opção já vem habilitada logo após o jogo ser baixado, mas pode ser desabilitada a qualquer momento.

Convites para chamada de voz ou vídeo:

Muitos jogadores preferem jogar Among Us enquanto estão conectados a uma plataforma de vídeo ou voz, para que possam conversar ao invés de digitar no chat do jogo.

Em salas públicas é comum que sejam enviados convites para participar de chats fora do jogo. É comum também que se envie números de WhatsApp e perfis nas redes sociais e, quanto a isso, não existe um filtro e nem censura.

Nomes de usuários com conteúdo impróprio:

O jogador deve escolher um nome depois de baixar o jogo para começar a partida. Muitos jogadores adotam nomes impróprios de cunho sexual ou palavrões.

Outras posturas inapropriadas durante o jogo:

Quando um jogador entra em uma sala pública, muitas vezes o dono dessa sala acaba banindo jogadores, sem motivo aparente.

Há também jogadores que usam hacks, ou seja, é inserido ao jogo um menu alternativo ao menu “oficial” que oferece diversas opções, como o jogador ser sempre o impostor, a liberação de acessórios e outras funções. 

Como a experiência do jogo pode ser mais divertida e segura?

A dinâmica criada pelo jogo atrai também os adultos e pode ser uma experiência divertida se os pais jogarem com filhos, por exemplo, ou outros parentes próximos.

A versão para PC torna-se uma opção mais segura, pois tem a funcionalidade de banir jogadores que tiverem condutas impróprias. A criação de uma sala privada, mesmo no aplicativo gratuito, também é uma boa alternativa, já que só entra nela quem sabe o código da partida.

Nesse caso, a orientação também é uma ótima aliada. É fundamental conversar com as crianças sobre os riscos de se oferecer informações particulares para quem não conhecem, ou participar de chats aos quais elas não sabem quem está participando.

Na última semana, a partir da quinta-feira passada, diversos jogadores relataram que a plataforma do jogo foi alvo de ataques de spam. 

Foram enviadas ao chat do jogo mensagens convidando jogadores a se inscreverem em canais do Youtube e Discord e também ameaças para aqueles que não o fizessem. Conteúdos relacionados a reeleição de Donald Trump dos EUA também foram enviados pelos hackers. 

Os desenvolvedores do jogo liberaram uma atualização que acabou não resolvendo o problema e, por isso, indicaram que salas privadas seriam a opção mais segura no momento. 

Esse ataque expressivo levantou discussões nas redes sociais sobre a segurança do jogo e a proteção dos dados dos seus jogadores.

Débora Nazário

Nota do editor

Among Us está bem popular e proibir que as crianças joguem o “joguinho do momento” vai causar bastante frustração. No artigo, entendemos como o jogo funciona, a idade recomendada, vimos os principais perigos para crianças e algumas soluções. 

Por isso, nossa indicação é: seus filhos querem jogar? Jogue com eles, esteja junto para cuidar e, se você ver algo que não se encaixa com o que você quer expor seus filhos, aí vocês acabam a brincadeira. É importante conversar com as crianças para que elas entendam o motivo pelo qual você faz isso. 

PS: o jogo contém ilustrações e gráficos com sangue e morte dos personagens.

:: Veja também: Guia ROBLOX completo para pais e mães ::

Loot Boxes e o vício em jogos

Você já ouviu falar em loot boxes? Elas são bem parecidas com os pacotes de figurinhas colecionáveis e aparecem em jogos populares como Fortnite.

Loot boxes são caixas de recompensas em jogos de videogame, jogos de computador e jogos de apps, que dão aos usuários itens aleatórios que podem ser utilizados nas partidas do jogos. Ao abrir uma no jogo, o usuário pode encontrar personagens, armas, roupas, fantasias e até passos de danças. Porém nunca sabe o que vai encontrar, ainda mais quando há itens mais raros que outros. Em alguns casos, os itens que vêm nas loot boxes são vendidos separadamente nas lojas dos jogos.

Criança (menina) de cerca de quatro anos mexendo num celular. Ilustração de uma caixa amarela com pontos de interrogação saindo representam uma loot box
Loot boxes são caixas de recompensas em jogos que dão aos usuários itens aleatórios que podem ser utilizados nas partidas.

As loot boxes estão em jogos bem populares como Fortnite, FIFA 18, Overwatch e Counter-Strike: Global Offensive. Estão de fácil acesso em qualquer um dos jogos. Em geral, podem ser adquiridas de duas formas: grátis, mas com número limitado por dia, ou comprando.

Junto com o crescimento dos jogos, cresceu também a quantidade de vídeos de gameplay, quando um jogador filma seu desempenho em algum jogo e posta no YouTube. Nas gameplays destes tipos de jogos, virou uma prática comum fazer unboxing* de loot boxes: o youtuber compra várias e abre enquanto comenta os itens que “ganhou”.

Como funciona

Por conta dos prêmios aleatórios, a mecânica da loot box nos jogos está sendo comparada à mecânica do cassino: você paga por algo que não sabe se vai ganhar. Nos jogos em questão, o usuário nunca vai sair de mãos abanando, já que os itens sempre irão aparecer. Mas nunca se sabe quais são os itens e a probabilidade é bem pequena de se ganhar o que deseja logo na primeira loot box que abrir.

Existem outras similaridades das loot boxes com os jogos de azar. A lógica do cassino de “quanto mais se joga, as chances de ganhar um item melhor aumentam” também está na mecânica das caixas premioadas. Também há a questão das cores: cassinos são bem coloridos e utilizam muito brilho. Ocorre a mesma coisa quando uma loot box é aberta. Os itens saltam na tela, há muitas luzes e sons que estimulam o jogador a jogar cada vez mais.

A mecânica das loot boxes nos jogos gera preocupação principalmente em relação ao público infantil dos jogos. É bem parecido com um cassino, já que jogos de azar viciam, e crianças ainda não entendem como eles funcionam. Segundo NBC News, a prática do loot box têm chamado atenção de psicólogos e grupos de defesa contra jogos de azar. Eles dizem que os consumidores dos jogos podem exibir comportamentos de vício parecidos com os de jogos de azar quando compram as caixas premiadas.

Loot boxes ao redor do mundo

Países como Bélgica e Holanda já proibiram que jogos com a mecânica das loot boxes sejam vendidos. A França e Nova Zelândia não consideram que os jogos têm características de jogos de azar. A União Europeia ainda discute se a mecânica utilizada é prejudicial a ponto de ser proibida.

As loot boxes giram uma economia de cerca de 30 bilhões de dólares e são umas das fontes mais rentáveis da indústria de jogos. A mecânica não é necessariamente ruim e prejudicial, mas é necessário que seja revista. Países como China e Coreia do Sul já discutiram a questão e obrigam que as publicadoras dos jogos divulguem quais as chances de ganhar cada prêmio nas loot boxes.

A polêmica sobre as loot boxes continua

A Ministra da Indústria Digital da Criatividade do Reino Unido Margot James se posicionou antes do comitê do Parlamento inglês sobre as loot boxes. Segundo o Games.Industry.biz, James considera que loot boxes são um meio em que as pessoas compram itens e artigos para melhorar a experiência do jogo e não geram expectativa de um retorno financeiro.

Margot James diz que se tiver evidências que as loot boxes têm relação com problemas de apostas e jogos de azar, então ela ficará preocupada e diz necessário tomar medidas e fazer algo a respeito. Mas até o momento não há pesquisas e dados suficientes acerca do tema. James defende que para regulamentar as loot boxes e as ‘apostas online’, pesquisas são necessárias para entender a situação e justificar a ação (no caso, a regulamentação).

:: Leia também: Guia Roblox completo para pais e mães ::

O contra ponto às loot boxes: Relatório sobre tecnologias imersivas e viciantes

Nas primeiras semanas de setembro, o Comitê Digital, Cultura, Mídia e Esporte (Digital, Culture, Media and Sports, DCMS, sigla em inglês) do Reino Unido publicou um relatório e entregou ao inquérito parlamentar. O relatório é sobre tecnologias imersivas e viciantes, tem 84 páginas e levou 9 meses para ser produzido.

O relatório traz dados e evidências de todos os lados da indústria de games, incluindo desenvolvedores, órgãos comerciais e acadêmicos. Nele, foi constatado uma “falta de honestidade e transparência entre as redes sociais e os representantes das empresas de jogos.

Se o governo quiser manter a mesma postura em relação aos loot boxes mesmo depois do relatório do DCMS, o comitê pediu um documento explicando os motivos pelos quais loot boxes e mecânicas de jogos de azar em video games e apps são exceções do ato de apostar/praticar jogos de azar.

O Comitê observou que as evidências sobre os potenciais danos das loot boxes (gambling simulado) permanecem escassas e, portanto, recomenda uma série de abordagens preventivas para o futuro.

As sugestões em relação às loot boxes

Além disso, o Comitê sugeriu que o governo do Reino Unido deveria aconselhar o PEGI** a aplicar o rótulo de conteúdo de gambling já existente e os limites de idade correspondentes a jogos que apresentem loot boxes ou mecânicas semelhantes.

O relatório ainda recomenda que, indo além das loot boxes, a indústria de games seja responsável por proteger os jogadores contra potenciais danos e apoie pesquisas independentes nos “efeitos a longo prazo das loot boxes e mecânicas de jogos de azar”.

O presidente do Comitê DCMS Damian Collins disse que “jogar contribui para uma indústria global que gera uma receita de bilhões. É inaceitável que empresas com milhões de usuários com crianças entre eles sejam tão mal informados para conversar sobre os possíveis danos dos seus produtos.”

Por fim, o Comitê sugeriu que é preciso de uma legislação para proteger as crianças de jogos que não são apropriados para sua idade. Isso surgiu de uma preocupação de que as empresas não estão reforçando as restrições de idade.

Posicionamento da Explot

Um dos pilares da Explot é a ciência e, assim como Margot James, apoiamos que decisões conscientes sejam tomadas baseadas em fatos e pesquisas. Mas ainda nos preocupamos com a exposição das crianças às loot boxes, como o comitê DCMS. Ainda que, em alguns países, os games precisam informar as chances de ganhar os itens, as crianças não têm noção de probabilidade, ou seja, a medida para proteger os usuários não se aplica ao público infantil.

*Unboxing é a quando alguém abre presentes, embalagens, caixas, etc. Se tornou muito popular quando os youtubers começaram a fazer vídeos abrindo presentes que ganharam ou algo novo que compraram.

**Pan European Game Information, sistema de avaliação de conteúdo de games criado para ajudar os clientes a tomarem decisões informadas antes de comprar jogos, video games e apps

Por que nossos produtos respeitam os direitos das crianças?

A cada produto novo, pensamos cada vez mais sobre o impacto que o produtor terá na vida das crianças e dos pais. A qualidade, segurança e o propósito do produto são os carros-chefe que puxam outros requisitos, como usabilidade e diversão, por exemplo.

Por isso, compartilhamos aqui o Guia de Direitos das Crianças para Desenvolvedores e Designers, onde traz reflexões e direciona profissionais a melhorarem seus produtos e serviços pensando no melhor que possam oferecer a uma criança, com respeito e responsabilidade. A Explot já têm alguns desses princípios enraizados na empresa, nos funcionários e em suas ideias, e buscamos melhorar cada vez mais adotando as sugestões do guia.

O Designing for Children’s Rights Guide é um guia para desenvolvedores de produtos e serviços crianças criado para o bem-estar das crianças. O material foi criado por mais de 70 profissionais – incluindo designers, desenvolvedores, neurocientistas, psicólogos, especialistas da área da saúde, educadores e experts em direito da criança – num evento colaborativo de 48 horas em Helsinki, Finlândia, em janeiro de 2018.

O objetivo do guia é aperfeiçoar um novo padrão de design e negócios e direcionar o desenvolvimento de produtos e serviços para que tenham enraizados em seus projetos a ética e a busca pela melhor experiência que uma criança pode ter.

INTRODUÇÃO

Apoiando o bem-estar e o desenvolvimento cognitivo e emocional saudável

Queremos que as crianças tenham as melhores oportunidades ao longo da vida. Produtos digitais têm o potencial de melhorar o desenvolvimento infantil e o bem-estar apoiando o processo natural pelos quais as crianças passam.

Questões como desenvolvimento cognitivo e físico precisam ser fortemente consideradas em um contexto de desenvolvimento e mudança de evidências sobre o impacto em que a exposição à mídia digital tem sobre essas questões. Além disso, o papel da família e o efeito da experiência digital no mundo da criança devem ser levados em conta quando o produto ou serviço é projetado para o melhor interesse das crianças.

Reunimos os princípios para ajudar a orientar designers, desenvolvedores e criadores de produtos, serviços e conteúdo para crianças.

Incentivando a autoexpressão, criatividade, aprendizagem e diversão

Crianças são experts em suas próprias vidas e, ao compreender suas perspectivas, problemas e aspirações, somos mais capazes de criar melhores experiências e produtos que atendam às suas necessidades. Devemos nos esforçar para trabalhar ao lado de crianças, para aprender e focar no que elas mais têm interesse.

Para incentivar o conteúdo rico e ético para a autoexpressão, criatividade e diversão:

  1. Comunique-se de forma adequada para a idade, bem como tradução de idiomas
  2. Sempre considere os benefícios e desvantagens do analógico e do digital no desenvolvimento do projeto
  3. Leve em conta os estágios de desenvolvimento incluindo questões como desenvolvimento cognitivo-emocional, social e físico, e crie pesquisas e projetos adequados à idade.

Juntamente com o processo de design, o designer deve manter algumas reflexões em mente e levantar questões como:

“Qual é o papel do designer?”

“Quanto controle as crianças como participantes têm sobre o processo?”

“Qual é a contribuição do designer?”

“O que os participantes recebem em troca”?

Educando a criança como um ser social e cidadão

Vamos desenhar o futuro juntos. Esse futuro reconhece as crianças como pessoas de amanhã e de hoje, por isso, elas devem estar no centro do processo de criação.

As crianças têm o direito de participar e influenciar no desenvolvimento de produtos e serviços que respeitam sua identidade e diversidade.

A participação empodera e protege as crianças, educando-as a serem cidadão e seres sociáveis e promovendo um espaço construtivo que permite a atuação delas.

O design tem a missão de moldar um futuro juntos e criar oportunidades para o impacto positivo. Vamos começar agora.

Garantindo segurança e privacidade

3 fatos simples:

  1. Quase todos os serviços, online e offline, podem ser usados e são usados por crianças. Crianças devem ser consideradas como um público-alvo em todos os processos de desenvolvimento.
  2. Desenvolvedores precisam incluir medidas de privacidade e segurança para todos os usuários, principalmente crianças, nos quatro estágios do ciclo de vida de um produto: Criação, desenvolvimento e período de teste; Descoberta e inscrição de usuário; Uso contínuo do usuário e crise de usuário; Saída do usuário e morte do produto
  3. Desenvolvedores precisam assumir a responsabilidade de incluir crianças no processo de desenvolvimento de seus produtos. Não pode assumir que outra pessoa ou organização fará isso.

PRINCÍPIOS

Todos podem usar

Preciso de um produto que não discrimine características como gênero, idade, habilidade, idioma, etnia e status sócio-econômico. Apoie a diversidade em todos os os aspectos nas práticas de criação e negócios da sua empresa (incluindo publicidade). Tenha em mente que eu possa utilizar o seu produto de maneiras não intencionais e que pode ser que eu use seu produto mesmo que ele não tenha sido feito para mim.

Link para U.N children’s right: NON-DISCRIMINATION

Me dê espaço para explorar e apoie meu crescimento

Eu preciso experimentar, arriscar e aprender com meus erros. Quando houver erros, dê suporte para que eu mesmo/a conserte, ou com a ajuda de um adulto. Encoraje minha curiosidade, mas considere minhas capacidades baseado na idade e no desenvolvimento. Preciso de apoio para adquirir novas habilidades e que me encoraje com desafios dirigidos por mim mesmo/a.

Tenho propósito, então, dê importância à minha influência

Me ajude a perceber o meu valor e o meu lugar no mundo. Preciso de espaço para construir e expressar a forte percepção de mim mesmo/a. Você pode me ajudar a fazer isso me envolvendo no seu produto ou serviço como alguém que contribui (não apenas como um consumidor). Quero experiências que tenham significado para mim.

Me ofereça algo seguro e me mantenha protegido

Certifique-se de que seu produto é seguro para que eu use e não espere que terceiros irão garantir minha segurança. Preciso de um caminho guiado ou um “salva vidas” para me dizer quando algo é perigoso e me informar de como permanecer seguro. Me dê ferramentas para me distanciar daqueles que eu não quer ter contato, facilitando o bloqueio de conteúdos e contatos indesejados. Não me exponha a conteúdos indesejados, inapropriados ou ilegais. Me forneça um modelo de comportamento saudável. Certifique-se que os responsáveis por mim tenham informações necessárias para que compreendam tudo isso, assim como sua importância.

Não utilize meus dados de forma indevida

Me ajude a manter controle sobre os meus dados, me dando opções em relação a quais dados quero compartilhar, para quais fins e como meus dados serão usados. Não colete nada além do que você precise, não monetize meus dados pessoais e não entregue-os a terceiros. Preocupe-se comigo respeitando meus dados.

Crie um espaço para brincar, incluindo uma opção para relaxar

Quando você usar seu produto ou serviço, considere diferentes visões, estados de espírito, e contextos das brincadeiras. Sou ativo/a, curioso/a e criativo/a, mas me oriente a fazer uma pausa e não esqueça de me oferecer um espaço para respirar.

Promova o tempo interativo e o tempo passivo e me encoraje a fazer pausas. Torne mais fácil definir meus próprios limites e me ajude a desenvolvê-los e transformá-los à medida que o meu entendimento sobre o mundo ao meu redor cresce.

Me encoraje a ser mais ativo e a brincar com outras pessoas

Meu bem-estar, vida social, minhas brincadeiras, criatividade, auto-expressão e aprendizado podem ser aprimorados quando eu colaboro e compartilho essas experiências com outras pessoas.

Ofereça-me experiências que me ajudam a construir relacionamentos e habilidades sociais com meus colegas e com a comunidade em que eu estou inserido/a, e me forneça ferramentas para me distanciar daquele que eu não quero ter contato.

Incentive a igualdade em seus produtos e serviços não destacando as diferenças que podem ser usadas para discriminar outras pessoas, como número de amigos e curtidas.

Ajude-me a reconhecer e entender atividades comerciais, principalmente as propagandas

Identifique, marque ou aponte a publicidade de forma explícita para que eu não confunda com outras informações. Indique de forma transparente quando as ações do seu produto ou serviço precisa que eu faça download de conteúdos ou quando precisa que eu me comprometa com o uso exclusivo do seu produto. Certifique-se de que eu entendi completamente todas as opções de compras antes de pagar por elas no seu produto ou serviço.

Use uma comunicação que seja próxima da minha linguagem

Tenha certeza de que eu entendi todas as informações relevantes que têm algum impacto em mim. Considere todas as formas de comunicação (visual, áudio, etc) e torne acessível para todos. Lembre-se que idade, habilidade, cultura e idioma impactam na minha compreensão.

Você não me conhece, então tenha certeza de que você me incluiu

Você deveria passar algum tempo comigo quando projetar um produto ou serviço que pode ser que eu use. Meus amigos, pais e parentes, professores e a comunidade em que eu estou inserido/a também se importam com o seu produto ou serviço, então também os inclua no processo. Nós temos ótimas ideias que podem te ajudar. Também certifique-se de falar com pessoas que são experts nas minhas necessidades.

Guia Roblox completo para pais e mães

Roblox é um dos jogos do momento no mundo das crianças. Por isso, traduzimos o material que o Common Sense Media compartilhou para que os pais possam entender melhor o que é o Roblox e como deixar que seus filhos aproveitem essa plataforma online de maneira segura.

Roblox é uma plataforma de jogos online, e está fazendo bastante sucesso, da mesma forma que causa polêmica. A plataforma do Roblox oferece uma ferramenta sofisticada de desenvolvimento de games onde os usuários podem jogar ao mesmo tempo com muita variedade de jogos, criatividade, competição e socialização: quase tudo isso de graça.

O potencial de ser uma ferramenta de aprendizado é semelhante ao Minecraft. Como o conteúdo do Roblox é gerado pelos próprios usuários, as crianças podem ser expostas a uma variedade enorme de materiais. Muito desses materiais são adequados para pré-adolescentes e adolescentes. Parte deles é apenas irritante, com propagandas incessantes para comprar o “robux”, a moeda do Roblox. E uma parte desse material é muito preocupante, como o comportamento predatório e fóruns com conteúdo sexual explícito.

No entanto, com atenção e cuidado aos sinais de alerta, configurações de privacidade e outras precauções de segurança, as crianças podem ter uma experiência rica e emocionante jogando Roblox. Mas para isso, a sua compreensão de como isso funciona e como seus filhos podem usá-lo com segurança é fundamental.

O que é Roblox?

Roblox é uma plataforma de jogos online onde você pode jogar os jogos que outros usuários desenvolveram ou criar e compartilhar seus próprios jogos usando a ferramenta de desenvolvimento de jogos do Roblox. Quando você se inscreve na plataforma, você pode jogar uma infinidade de jogos, construir e compartilhar suas criações e bater papo com outros usuários no chat do Roblox – tudo isso de graça. Se seus filhos levarem o Roblox a sério, eles precisarão do Robux, a moeda do Roblox, e provavelmente vão querer se inscrever no Builders Club, que oferece recursos adicionais por uma taxa de associação.

Como o Roblox funciona?

O Roblox oferece dois modos: jogar e criar os jogos. Após se registrar na plataforma, o usuário tem acesso irrestrito a ambos os modos (apesar de que a maioria das crianças está lá só para jogar).

O usuário pode escolher dentro de uma infinidade de jogos, desafios criativos e divertidos em várias categorias, desde jogos de tiro a mistérios de assassinatos, esportes e jogos de luta. Infelizmente não é possível procurar os jogos por categoria ou gênero, então encontrar algo que você gosta é um processo de tentativa e erro.

Você também pode baixar o Roblox Studio e trabalhar na construção de seus próprios jogos. A jogabilidade não é nivelada, mas os jogos dos bons jogadores tendem a aparecer no topo do feed. Alguns desenvolvedores amadores usam o Roblox como portfólio. Para as crianças que estão interessadas em criar seus próprios jogos, Roblox oferece muitas instruções, uma enciclopédia e muitos jogadores prontos para ajudar.

Os criadores podem monetizar seus jogos para gerar receita, tanto cobrando para jogar os jogos quanto oferecendo compras no jogo, necessárias conforme o uso – geralmente necessárias para progredir no jogo.

Qual a idade apropriada para o Roblox?

O Roblox não especifica uma idade mínima para utilizar a plataforma. Usuários de qualquer idade podem jogar, criar jogos, entrar em chats e interagir com outros jogadores. A empresa se baseou na teoria construtivista, que promove os benefícios educacionais da curiosidade, do design e da construção e, na teoria, é apropriado para que qualquer pessoa possa utilizar a plataforma e tudo o que ela oferece.

Mas na prática, essa abordagem aberta pode apresentar alguns riscos para crianças, especialmente para as mais novas. Embora o Roblox já tenha algumas precauções de segurança, as crianças continuam sendo alvo para pessoas com más intenções.

Apesar dessa questão, o Common Sense Media classifica como OK para usuários maiores de 10 anos. Insistimos que os pais ajudem as crianças a se protegerem ativando as configurações de privacidade, ensinando como reconhecer os métodos usados pelos predadores para ganhar a confiança de crianças, mostrando para as crianças como denunciar comportamentos inadequados e a bloquear usuários.

:: Leia também: Guia completo de Among Us ::

O Roblox tem controle parental?

O Roblox oferece contas de controle que permite que os pais restrinjam como as crianças podem interagir na plataforma. Você pode controlar se outros usuários podem entrar em contato com seus filhos, quem pode enviar mensagens para eles, quem pode conversar com eles e restringir algumas outras coisas nas configurações de contato.

Para ativar essas notificações, você adiciona o seu endereço de e-mail na conta do seu/sua filho/a e cria uma senha que impede que as crianças alterem as configurações de volta. As contas de controle são opcionais: crianças de qualquer idade podem criar contas no Roblox sem restrições parentais. Nas contas de crianças menores de 13 anos, o Roblox automaticamente define configurações de segurança mais rigorosas, mas uma criança pode alterá-la se não houver a senha dos pais.

Explicamos como funciona o controle parental de forma mais detalhada neste artigo.

O Roblox tem chat de conversa? É seguro?

Roblox encoraja que os usuários interajam pela função Chat & Party. Todos os chats são filtrados, ou seja, linguagem inapropriada é trocada por hashtags. As conversas nos chats de usuários menores de 13 anos são mais filtradas. Roblox também tem pessoas que ficam monitorando a linguagem e o conteúdo dos chats.

Predadores Sexuais são um grande problema no Roblox?

Existem predadores sexuais no Roblox assim como em qualquer outra grande rede social. Consideramos “predadores sexuais” qualquer pessoa que tem intenção de coagir sexualmente outra pessoa. Os predadores se aproveitam do bate-papo fácil e acessível do Roblox para atingir suas vítimas.

Para ter noção do quão fácil é entrar no bate-papo do Roblox: tudo o que você precisa fazer é se inscrever no Roblox para começar a conversar, e a janela Chat & Party aparece em quase todas as páginas do site. Roblox utiliza pessoas e robôs para monitorar para expulsar pessoas que violam os termos de uso da plataforma, mas eles aparecem ocasionalmente.

Para evitar que um predador entre em contato e para jogar de forma mais segura possível, as crianças devem ativar as configurações de contato mais restritivas (encontradas na página de configurações de privacidade). Você pode impedir que qualquer pessoa entre em contato com você ou com seu/sua filho/a desative totalmente o bate-papo ou limite interações para apenas amigos.

É necessário que oriente as crianças para que não conversem com pessoas que não conheçam, a menos que possam verificar se realmente são amigos, ou amigos de amigos, na vida real, e para que não aceitem mensagens privadas de ninguém que não conheçam. Oriente-os para que nunca divulguem informações pessoais, que confiem em seus instintos se alguém os colocarem numa situação desconfortável, e que nunca mudem a conversa para outra plataforma ou rede social.

O que são os “ODers” do Roblox?

OD é a abreviação de Online Dater, que significa “namorador online”. São pessoas que estão nas redes sociais e chats de todos os tipos, inclusive do Roblox, para marcar encontros românticos. Há jogos no Roblox criados especificamente para ODers. Roblox não explicita que ODers são proibidos na plataforma, e ODers não necessariamente atacam crianças (eles podem estar à procura de outros ODers). As pessoas que monitoram os chats do Roblox procuram por conversas e conteúdos inapropriados, já que as regras da plataforma proíbem o bate-papo de cunho sexual.

Há também o tipo de ODers: pessoas que querem apenas fazer amizades. O que acontece é que muitas vezes essas pessoas só se aproximam e ficam amigos dos usuários para conquistar a confiança e fazer com que esses usuários doem Robux.

Se o/a seu/sua filho/a quiser usar o Roblox, é essencial que você analise e revise questões de segurança online com a criança, como identificar possíveis predadores, denunciar e bloquear usuários, e como identificar comportamentos que predadores usam para fazer com que as vítimas confiem neles.

:: Você também pode se interessar por: Apps Freemium x Apps pagos: como os aplicativos ganham dinheiro e como isso afeta as crianças ::

O que é Robux?

Robux é a moeda do Roblox. Você pode usar para comprar uma série de coisas, como roupas e animações especiais para seu avatar, habilidades em jogos, armas e outros objetos. Há diferentes jeitos de conseguir Robux: você pode comprá-los, obtê-los como parte de sua assinatura (que você pagaria), negociar ou ganhar de outra pessoa que tenha. Você também pode ganhar cobrando dos usuários que jogam os jogos ou cobrando por itens em seus jogos que você criou no Roblox.

Como as crianças ficam sabendo do Roblox?

Há muitos vídeos de usuários jogando os jogos do Roblox no YouTube, Twitch, Miniclip e outros canais de vídeos e streaming. Como o Roblox já é bem conhecido e procurado, esses vídeos têm bastante visualizações e acabam sendo recomendados, por exemplo.

Quanto Robux custa?

Roblox usa o modelo Freemium/Premium. Você pode fazer muitas coisas no Roblox sem precisar pagar por nada, como jogar MUITOS jogos ou usar o Roblox Studio game builder para fazer seus próprios jogos. Mas para fazer qualquer coisa além do básico, como animar o seu avatar ou comprar e trocar armas, é preciso de Robux.

A empresa oferece alguns modelos de assinatura no Builders Club, o programa de sócios do Roblox: o ‘clássico’ custa US$5,95 por mês ou US$57,95 por ano; o pacote ‘turbo’ é US$11,95 mensais ou US$85,95 anuais; e o pacote ‘outrageous’, de US$19,95 por mês ou US$129,95 por ano. Você recebe um certo número de Robux por dia, dependendo do pacote que você comprou.

É possível ganhar dinheiro de verdade no Roblox?

Sim, você pode ganhar dinheiro de verdade com o Roblox. Na verdade, criadores dedicados podem ganhar bastante dinheiro. O Roblox oferece alguns modelos diferentes de geração de receita, incluindo cobrar de outros que acessam o jogo que você criou, cobrança de taxas em seu jogo em troca de itens raros pelos quais outros jogadores estão dispostos a pagar. Para monetizar os jogos, o usuário precisa ter mais de 13 anos, ser um membro do pacote outrageous do Builders Club e ter pelo menos 100.000 Robux na sua conta. E então o usuário pode trocar o Robux por dinheiro real. 100,000 Robux vale US$350.

Outras informações que podem ser úteis:

  • Como existe o Robux, a moeda do Roblox, existem usuários mais “ricos” que outros. Quando um usuário acaba de se cadastrar, ele não tem nenhum Robux, por exemplo. Crianças que não têm Robux podem ser alvos fáceis de cyberbullying. Segundo um usuário que comentou na página do artigo do Common Sense Media, vale a pena comprar US$10 de Robux para que a criança consiga comprar itens para customizar seu avatar e evitar que seja alvo de cyberbullying.
  • Se a criança está sendo alvo de cyberbullying nos chats, é possível bloquear o usuário que está xingando ou ofendendo. Feito isso, a criança não consegue ler o que a pessoa digita no chat.
  • Já aconteceu de usuários usarem os avatares para praticar atos impróprios e sexuais dentro do jogo. Caso isso aconteça, denuncie as contas que estão fazendo isso e, se o jogo tiver um chat, denuncie na conversa e escreva seu relato no bate-papo para que os criadores possam ver o seu comentário.

:: Leia também: TikTok: o que você precisa saber sobre a rede social popular entre crianças e adolescentes ::